Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






12/10/2023
No teatro do absurdo. Enquanto a fé desaparece, a Igreja fala de outra coisa

O Papa e os bispos teriam algo em que pensar sobre o abandono da fé e da Igreja. Nada além de sinodalidade, clima e homossexualidade!

por Aldo Maria Valli

Se a Igreja Católica tem futuro, talvez um dia os nossos irmãos se perguntem: por que naquela época, por volta do ano 2023, enquanto as igrejas estavam vazias e todos os indicadores diziam que os fiéis estavam diminuindo, o Papa não se preocupou da fé, mas do clima e das pessoas LGBTQI? E porque é que, no que diz respeito ao clima, deu ele crédito a teorias “científicas” sobre as quais não havia consenso unânime no próprio mundo da ciência? Em suma, por que ele fez um trabalho que não era dele?

É de esperar que um dia os nossos irmãos na fé possam verdadeiramente questionar-se. Por enquanto, porém, trata-se apenas de uma ilusão, porque, se olharmos a realidade de um ponto de vista estritamente terreno, tudo parece levar a uma conclusão catastrófica.

“Os papas deveriam tratar do clima nas suas conversas depois do jantar, tomando um café correto”, escreveu recentemente o escritor espanhol Juan Manuel de Prada. A tragédia é que o Papa, pelo contrário, trata do assunto em documentos oficiais, mas o faz com a mesma despreocupação e a mesma ignorância que dificilmente seria permitida numa conversa depois do jantar.

E o que fazem os bispos? Em vez de recordarem ao Papa os seus deveres, levam-no extremamente a sério: nas suas dioceses organizam dias sobre clima e ecologia, plantam árvores em vez de cruzes e fazem saber, com um desprezo incomum pelo ridículo, que estão a tomar medidas para compensar pelas emissões de CO2 devido às suas iniciativas verdes. Assim, graças aos assistentes do príncipe, o drama passa de farsa em farsa num piscar de olhos.

O Papa e os bispos teriam algo em que pensar sobre o abandono da fé e da Igreja. Nada além de sinodalidade, clima e homossexualidade!

A nova pesquisa da revista Il Regno , depois da realizada em 2009, oferece números chocantes: em quatorze anos os italianos que se declaram católicos passaram de 81,2 para 72,7, os que dizem acreditar em Deus caíram de 72 para 57 por cento. , enquanto os não crentes aumentam de 26 para 36 por cento.

Os que vão à igreja todos os domingos caem de 28 para 18 por cento, os que nunca vão sobem de 19 para 37 por cento. A prática religiosa e a fé sofrem um colapso entre os jovens.

O que diz o Papa? O que pensam os bispos?

Falam de outra coisa porque não se apercebem da situação ou fazem-no conscientemente, pensando que lidar com a sinodalidade, o clima e os “direitos” LGBTQI é a forma certa de recuperar o atraso?

Nem um nem outro caso. Falam de outra coisa porque, por mais fortemente ideológicos que sejam, perderam o sentido da realidade. Como toda nomenklatura, a eclesial também é prisioneira de si mesma. O Sínodo aparece assim como um teatro do absurdo onde se representa uma comédia para uso interno. Como se costuma dizer em Roma, essas pessoas tocam e cantam. O que acontece lá fora não os afeta. Paradoxal para uma igreja que gosta de se definir como "extrovertida", mas lógico dado que se trata de uma nomenklatura composta por apparatchiks , ou seja, burocratas comparáveis ​​a funcionários partidários em tempo integral (percebo que estou usando termos usados ​​na União Soviética, o que é significativo por si só).

Naturalmente, o problema número um é um papa cujo imperativo, agora evidente, é destruir tudo para produzir uma nova igreja funcional para uma nova religião. Mas não devemos negligenciar o aparelho. O papel dos assistentes do príncipe é sempre decisivo.

AMV

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/10/12/nel-teatro-dellassurdo-mentre-la-fede-sparisce-la-chiesa-parla-daltro/




Artigo Visto: 1180

 




Total Visitas Únicas: 6.330.008
Visitas Únicas Hoje: 133
Usuários Online: 34