"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
23/03/2020
A estranha ligação entre Malthus e o Coronavírus
 

A estranha ligação entre Malthus e o Coronavírus

23-03-2020 

https://lanuovabq.it/storage/imgs/coronavirus-grafica-virus-large.jpg

Por Roberto Marchesini

Poucos, falando da epidemia em curso, dizem esta frase: "Somos muitos nesta terra". Como é possível que o vírus se una na cabeça das pessoas com o malthusianismo? O elo lógico não existe, mas o fenômeno que os psicólogos chamam de "inferência" se espalhou. E isso aqui é o resultado de uma martelada que dura há décadas.

Aconteceu comigo nos primeiros dias da propagação do Coronavirus. Andando pelo país parei para falar com várias pessoas e... Tive que perceber um fenômeno que me surpreendeu muito. Um por um, quase todas as pessoas que conhecemos, falando sobre essa epidemia, em um ponto ele viria com esta afirmação: "Nós somos muitos, nesta terra.

As primeiras vezes que fiquei emocionado: o máximo da minha reação foi um sorriso estúpido. O que o Coronavírus tem a ver com a suposta superpopulação? Então eu não aguentava mais, e comecei a responder algo como: "Se todos que pensam que somos muitos nesta terra dessem um bom exemplo ao sair do caminho, de um jeito ou de outro, o problema acabaria."A maioria não entendeu a frase complexa; aqueles que entenderam ficaram terrivelmente ofendidos.

Além das minhas dificuldades de relacionamento, a pergunta permaneceu na minha cabeça: como diabos esse vírus com malthusianismo se juntou na cabeça das pessoas? Além disso, essa união deve estar bem enraizada porque, quando a afirmação "Os médicos decidirão quem sobrevive" se espalha (em referência ao documento do SIAARTI), a reação foi pequena ou nada.

Agora: entendo que o paganismo está se espalhando na Itália (e além); e os pagãos estão convencidos de que deuses cruéis (ou seja, demônios) estão punindo a humanidade por seu comportamento anti-ecológico. Refiro-me aos adoradores de Gaia / Gaia, a mãe terra (Pachamama, para amigos). Como Leonardo Boff, ex-padre e ex-teólogo da libertação, disse recentemente: «Acredito que doenças atuais como dengue, chikungunya, vírus Zika, Sars, Ebola, sarampo ou o atual coronavírus e os a degradação geral das relações humanas, marcada pela profunda desigualdade / injustiça social ou pela falta de solidariedade mínima, é de fato uma represália a Gaia pelas ofensas que lhe infligimos continuamente ».

Mas eu juro que meus companheiros de aldeia não são (ainda) pagãos; então a explicação deve ser outra. Neste momento, meus pensamentos vão para a famosa e chocante afirmação do príncipe Philip de Edimburgo, presidente emérito da WWF, que em 1988 disse: "Se eu nascesse de novo, gostaria de ser um vírus letal para eliminar a superpopulação". Ou o thriller do famoso escritor Dan Brown intitulado Inferno (2013). Neste romance, o verdadeiro protagonista é um vírus letal criado para reduzir a população mundial.

Em resumo, nas últimas décadas, fomos atingidos por esse emparelhamento: superpopulação de vírus. E, aos poucos, esses dois conceitos também se uniram na cabeça das pessoas. É esse fenômeno que os psicólogos chamam de "inferência": uma certa passagem lógica é dada como certa; embora lógico, na verdade, não é. É um atalho mental.

Aqui, eu simplesmente registro esse fato: nas cabeças dos meus companheiros de aldeia, essa estranha inferência surgiu: existe um vírus letal? Nós somos muitos nesta terra. O que isso tem a ver com isso? Nada. Não estou dizendo que foi criado de propósito, sentiríamos falta. Eu simplesmente tomo nota disso.

Fonte: https://lanuovabq.it/it/lo-strano-legame-tra-malthus-e-il-coronavirus

 
 
 

Artigo Visto: 305 - Impresso: 0 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.236.008 - Visitas Únicas Hoje: 817 Usuários Online: 242