"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
30/05/2020
Covid e sociedade / Mas veja quem se vê novamente : estatismo. Desta vez em molho cientista
 

Covid e sociedade / Mas veja quem se vê novamente: estatismo. Desta vez em molho cientista

30-05-2020

https://www.aldomariavalli.it/wp-content/uploads/2020/05/Mascherina-904x904.jpg

Postado em: Blog de Aldo Maria Valli

Caros amigos de Duc in altum, o Observatório de Bioética de Siena produziu um documento muito interessante que compartilho de bom grado. Intitulado Um olhar vigilante para proteger o ser humano, leva em consideração, na perspectiva católica, a situação de limitação das liberdades fundamentais que surgiu com a pandemia, mas é ainda mais profunda, analisando o fenômeno da Ciência suscitado por um novo dogma no mundo. essa nossa cultura privada do senso da verdade.

A.M.V.

***

Um olhar atento para proteger o ser humano

Por alguns meses, um "estado de emergência" declarado destruiu as certezas legais e morais que acreditávamos ter. Os direitos e liberdades fundamentais foram cancelados com simples comunicados de imprensa e boletins diários, com medidas imediatas, com ditames supostamente adotados para o interesse nacional em saúde. E tivemos que aceitar tudo isso delegando implicitamente o poder executivo, enquanto os outros poderes estatais e os garantidores dos direitos constitucionais ficaram em silêncio, quase aniquilados e impotentes, diante de uma avalanche de decretos acompanhados de maneira desarticulada e muitas vezes contraditória pelas ordenações do " "governadores.

Testemunhamos uma "subjugação pacífica", em todas as áreas da vida, da sociedade e de nações inteiras. (cf. João Paulo II, Dives in misericordia, n.11).

Ainda não sabemos se e quando essa condição de "suspensão" cessará definitivamente, o que em quase todo o mundo viu limitações ao livre movimento, à vida social, ao adeus digno da vida terrena de nosso falecido, à proteção "comum" da saúde, à vida religiosa comunitária, proteção dos direitos jurisdicionais e constitucionais, liberdade de empresa e muitas outras coisas que não listamos aqui por questões de brevidade.

Como primeira pergunta, vamos nos perguntar, junto com o intelectual Giorgio Agamben: "Como poderia ter acontecido que um país inteiro enfrentou uma epidemia, sem perceber, entrou em colapso ético e político?" (consulte Giorgio Agamben, site da Quodlibet, 13 de abril de 2020).

De fato, por algum tempo houve todos os pré-requisitos para que isso acontecesse. A redução sistemática dos direitos naturais e inalienáveis (vida, morte, liberdade religiosa), de instituições sociais garantidas constitucionalmente (família, educação) antes das fronteiras dos "novos direitos" funcionalmente voltados para a desestruturação do ser humano, criou a questão da destruição humanidade pacífica e sociedade civil, sem derramamento de sangue aparente e aparentemente com apenas danos colaterais. A ineficiência de nosso sistema constitucional - uma aparente garantia de legalidade, mas de fato completamente ignorada pelos governos que se baseiam em um sistema de pacto, e não em princípios de representação e representatividade - diariamente incomodados por regras adotadas em contraste aberto com os próprios princípios constitucionais , significava que o limiar que separa a humanidade da barbárie foi ultrapassado?

O medo tem sido e é a amante indiscutível da cena pública e privada. Medo de contágio, desse inimigo invisível e feroz que pode ser escondido em qualquer lugar e pode nos condenar à morte, medo do próximo, do parente, dos relacionamentos, dos objetos.

Agora, aproveitando o medo, existe um risco real de que um globalismo ainda mais perigoso possa avançar. Como sinistramente desejou em 2009 Jacques Attali 3

E se tudo isso, até certo ponto, se tornou inevitável para enfrentar uma emergência (que um dia talvez entenderemos o quão inevitável e quão culpável isso tem sido), o que aconteceu e está acontecendo deve soar como um aviso de atenção mais e mais alerta e alerta, o que dá um aviso para o futuro.

Identificamos cinco idéias de trabalho

1-NOVAS FRONTEIRAS DO HUMANO

A pandemia revelou pela enésima vez a fragilidade de sermos criaturas mortais, imersas em uma natureza cada vez menos governada por mãos sábias e respeitadoras de sua vocação. Além disso, a pandemia trouxe necessariamente as questões fundamentais da humanidade.

Para isso, devemos responder com uma busca maior pelo sentido transcendente do homem e retornar ao uso correto da razão, a única maneira de descobrir a verdade. Hoje, estamos preocupados com uma resposta que nos permita vislumbrar um humano que inevitavelmente se desloca em direção à sua reificação e secularização.

A ciência, um novo dogma moderno e uma nova religião, forneceu respostas conflitantes. Cada virologista, epidemiologista ou especialista expressou sua própria idéia - frequentemente em contraste com outros colegas - e a única recomendação que todos compartilhavam era "confinamento", "isolamento", "distanciamento social", exatamente a mesma indicação dada para lidar com epidemias na Idade Média. No entanto, na Idade Média, o homem, parte de um mundo cristianizado, sabia confiar-se e não abandonou a esperança, conhecendo bem o primeiro e o último fim da vida. Tudo isso não está mais presente na sociedade hoje. O homem foi privado do senso da verdade, perdeu toda a certeza, abdicou do uso da razão e também da razoabilidade. Em nome da ciência ou de um cientismo exasperado, renunciou, contra toda a lógica, a alguns direitos fundamentais, permanecendo totalmente silencioso e inerte diante de decisões que limitavam liberdades e direitos fundamentais como nunca antes na história atual. É necessário que o homem retorne ao diálogo com o céu, recupere sua própria essência profunda de ser social, porque ele sempre foi "pensado e salvo" no contexto de um relacionamento.

Além disso, de uma maneira quase zombadora, o coronavírus nos mostrou em certa medida que a verdadeira essência do homem é indiferente às novas categorias culturais que buscam fragmentar sua natureza.

De fato, redescobrimos a necessidade quase óbvia de ler os dados de contágio de acordo com as classificações "nuas e cruas" (masculino / feminino, jovem / velho), revelando subitamente a irracionalidade das influências autorreferenciais de gênero que gostariam de redesenhar o mundo e os relacionamentos. entre as pessoas, mas que agora desmoronam miseravelmente diante de uma entidade invisível a olho nu.

Assim como ele nos mostrou que ajudar um paciente a respirar, comer ou beber, mesmo através de uma máquina, não é uma terapia, mas um suporte vital necessário para combater a doença.

Portanto, a ciência precisa voltar a falar com filosofia e metafísica, contrastando a dominação solitária da tecnologia e dos interesses materiais, a fim de poder interpretar o que acontece com a consciência.

O período pós-covarde terá que rejeitar qualquer tentativa de reiniciar o perigoso caminho da fragmentação humana em categorias inexistentes, destruindo os conceitos de vida razoável, como verdade, beleza, direitos humanos naturais.

2- A PROTEÇÃO DA VIDA É DEVIDA AO CENTRO TAMBÉM DAS POLÍTICAS SOCIAIS E DE SAÚDE

A pandemia revelou uma negligência intolerável da saúde, especialmente para as categorias mais frágeis e expostas da sociedade. Muitos idosos são deixados sozinhos em estruturas residenciais e muita negligência em sua gestão; riscos demais para trabalhadores da saúde e trabalhadores empregados nos setores "essenciais".

Em tempos de pandemia, é crucial reafirmar o valor do ser humano contra os desvios reducionistas e eugênicos, que infelizmente se estabeleceram em todo o mundo. Basta pensar na rejeição dos ventiladores pulmonares às pessoas com deficiência nos EUA, na eutanásia preventiva proposta aos idosos na Holanda.

Além disso, mesmo na Itália, o pedido de impor o aborto voluntário como um direito inalienável e intangível (mesmo em uma situação em que não era possível fornecer serviços de medicina preventiva à população) era inaceitável, chegando a pedir para violar administrativamente os limites estabelecidos pela lei 194, introduzindo o "aborto você mesmo".

Houve muito pouco cuidado com as famílias, deixado em paz pela enésima vez, diante de seu ônus de responsabilidade na gestão de crianças, idosos e pessoas que não são auto-suficientes. A menos que você queira considerar "ajuda" o subsídio para a compra de uma scooter ou bicicleta.

Vamos pensar em como a fase 2 foi planejada: retomada do trabalho e não das escolas E as crianças? Ou pense na absurda proposta de enviar as crianças para a escola apenas alguns dias por semana. E os outros dias?

O período pós-covarde terá que colocar a proteção da vida em si e da família de volta ao centro como um pilar essencial de qualquer política de bem-estar e promoção humana.

3 - OS DIREITOS CONSTITUCIONAIS DEVEM SER RESTAURADOS

A compressão dos direitos constitucionalmente previstos e garantidos que testemunhamos e testemunhamos não pode mais continuar. Acima de tudo, o silêncio não é mais permitido.

Ao relembrar o que já foi dito na introdução deste documento, queremos acrescentar aqui uma reflexão sobre uma outra deriva perigosa observada nessas semanas.

De fato, nunca teríamos pensado que deveríamos falar sobre liberdade religiosa em nosso país, mas parece-nos que hoje todo pensamento filosófico e religioso deu lugar à "medicina como religião" 6

E assim as igrejas foram fechadas, não podíamos participar da Santa Missa nem no dia da Páscoa, sem que ninguém entendesse como era questionada uma regra fundamental, a saber, a Igreja, ontologia e também para disposições regulamentos é o único guardião dos sacramentos e do poder de administrá-los.

A arbitrariedade e a anormalidade das limitações do governo foram reveladas quando se observou que o acordo entre o Estado e a Igreja Católica de fato alcançado é semelhante ao adotado para a reabertura de lojas e outras atividades comerciais, com precauções também praticável nos últimos meses e que permitiria evitar a suspensão da Santa Missa por mais de dois meses.

4 - SEGURANÇA RESPEITANDO A TRANSPARÊNCIA E A CONFIDENCIALIDADE

O estado e suas divisões, o Parlamento e o serviço público de informação devem ser o local de debate e compartilhamento, diante do país, de escolhas e informações estratégicas sobre o estado da arte dos cuidados, pesquisas e estudos relativos à vidas das pessoas. Ao mesmo tempo, a pandemia não deve ser o pretexto, invocando - desta vez de maneira inadequada - o mesmo princípio de transparência, para estabelecer sistemas de controle e rastreamento de pessoas, toleráveis apenas se estritamente anônimos e, em qualquer caso, sob o controle de ferro das autoridades públicas que devem responder diante da opinião pública.

Qualquer progresso tecnológico (por exemplo, no campo das telecomunicações e da medicina preventiva e curativa) deve ser protegido e avaliado de forma independente antes de ser colocado no mercado.

5 - DEVERES DO ESTADO E SUBSIDIARIEDADE

Os serviços de saúde, a escola e, em geral, os serviços sociais para a pessoa foram gerenciados nos últimos vinte anos como simples centros de custo. Os cortes indiscriminados e o desmantelamento de muitos hospitais e redes territoriais de saúde foram realizados com o único critério de se enquadrarem nos parâmetros econômicos ditados pela União Europeia. Ao mesmo tempo, é absolutamente impensável retornar a um sistema vinculado a uma administração estatista totalista, muitas vezes ineficiente e sujeita a sistemas endêmicos de corrupção.

Na frente da escola, testemunhamos com consternação a busca obstinada do estado pela destruição do que resta das escolas pares, independentemente do pluralismo e da capacidade do setor privado de gerenciar melhor os recursos. Os 860.000 alunos e suas famílias são considerados cidadãos da Série B. É absurdo que a administração de uma escola igual não seja considerada digna de ajuda, como todas as outras atividades econômicas e não econômicas do país. A imensa herança humana e educacional das escolas entre pares (180.000 entre professores e operadores escolares, 12.000 escolas localizadas em todo o país) poderia se mostrar muito útil para facilitar a recuperação no setor educacional. Chegou a hora de relançar um novo pacto educacional e cívico para todo o sistema escolar (escolas estaduais e iguais - lei n ° 62/2000) como um investimento na educação para treinar as gerações do futuro.

A situação atual deve, portanto, ser uma oportunidade para restaurar a confiança e apostar em um princípio real de subsidiariedade, ou seja, para poder garantir uma importante série de serviços de saúde e escola a partir da organização autônoma, independente e sem fins lucrativos dos cidadãos e seus cidadãos. agregações livres.

Na frente da economia, estamos convencidos de que só podemos sair dessa crise histórica através do papel insubstituível do trabalho e da livre iniciativa. Portanto, vemos com preocupação o retorno ao estatismo e ao bem-estar que conota as atuais escolhas estratégicas e políticas. Em vez disso, é necessário aprimorar nosso sistema de negócios, que já demonstrou sua capacidade competitiva, de pesquisa e inovação, e reconstruir a relação entre trabalho e realização da pessoa que é a base da dignidade humana protegida pela Constituição (ver art. 4)

O estado promove o bem comum e deixa o homem livre para exercer sua responsabilidade.

Siena, 23 de maio de 2020

__________________________________


Referências e fontes bibliográficas

"Uma olhada no todo nos dá a impressão de que tanto a natureza quanto o próprio homem estão cada vez mais à mercê da reivindicação imperiosa do poder - estado econômico, técnico, organizacional. Mais e mais claramente surge uma situação em que o homem mantém a natureza em seu poder, mas juntos o homem mantém o homem em seu poder, e o estado mantém o povo e o círculo vicioso do sistema técnico-econômico em seu poder. mantém a vida em seu poder ".

Romano Guardini, O fim da era moderna, Morcelliana, 1950

*

"O medo é um recurso muito convidativo para substituir a demagogia pela argumentação e a política autoritária pela democracia. E cada vez mais insistentes apelos à necessidade de um estado de exceção vão nessa direção ".

Zygmunt Baumann, Medo líquido, Laterza, 2006

*

"A história nos ensina que a humanidade evolui significativamente apenas quando está realmente com medo: em primeiro lugar, estabelece mecanismos de defesa; às vezes intolerável (bodes expiatórios e totalitarismos); às vezes desnecessário (distração); algumas vezes eficaz (terapêutico, descartando todos os princípios morais anteriores, se necessário). Assim, terminada, a crise transforma esses mecanismos para torná-los compatíveis com a liberdade individual e incluí-los em uma política de saúde democrática. A próxima pandemia inicial pode desencadear um desses medos estruturantes. [...] antes da próxima pandemia inevitável, implementaremos mecanismos de prevenção e controle e processos logísticos para uma distribuição justa de medicamentos e vacinas. Para fazer isso, teremos que estabelecer uma força policial global, um armazém global e, portanto, um sistema tributário global. Portanto, chegaremos, muito mais rápido que apenas a razão econômica, para estabelecer as bases de um governo do mundo real ».

Jacques Attali, Express, 3 de maio de 2009

*

“O termo Salus significa saúde, no sentido sanitário do termo, e também significa salvação, no sentido ético-espiritual e, sobretudo, religioso. A experiência atual do coronavírus mais uma vez atesta que os dois significados estão interconectados. .... Saúde não é salvação, como os mártires nos ensinaram, mas, em certo sentido, a salvação também dá saúde. O bom funcionamento da vida social, com seus efeitos benéficos também na saúde, também precisa da salvação prometida pela religião: "o homem não se desenvolve com sua própria força (Caritas in veritate, 11)".

Giampaolo Crepaldi, Coronavírus, hoje e amanhã. Reflexões sobre uma emergência não relacionada à saúde, março de 2020

*

Segundo a London School of Economics, metade de todas as mortes de Covid-19 ocorreram em RSAs. Na Inglaterra, portanto, houve um "fenômeno de exclusão": acima de uma certa idade, você não tem acesso a terapia intensiva. No Alabama e em Nova York, esse limite não é apenas para idosos, mas também para pacientes com doenças mentais e deficientes. De fato, estávamos nos preparando há algum tempo, desde que introduzimos o conceito de "vidas dignas de ser vividas", fracassamos como sociedade, uma "involução", uma nova barbárie e atribuímos ao vírus uma forma "sub-reptícia" de eutanásia.

Giulio Meotti, Il Foglio, 16 de abril de 2020

*

"Isso já foi feito e, pelo menos por enquanto, as pessoas aceitaram como se fosse óbvio desistir de sua liberdade de movimento, trabalho, amizades, amores, relacionamentos sociais, suas crenças religiosas e políticas. Aqui se mede como as duas outras religiões do Ocidente, a religião de Cristo e a religião do dinheiro, renderam o primado, aparentemente sem luta, à medicina e à ciência "

Giorgio Agamben, Medicina como religião, 2 de maio de 2020

____________________________________________

Fonte: Observatório de Bioética Siena

Via; https://www.aldomariavalli.it/2020/05/30/covid-e-societa-ma-guarda-chi-si-rivede-lo-statalismo-questa-volta-in-salsa-scientista/

 
 
 

Artigo Visto: 259 - Impresso: 2 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.189.656 - Visitas Únicas Hoje: 778 Usuários Online: 202