"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
30/07/2020
Um "papa" pró-gay que envia sinais conflitantes
 

Um "papa" pró-gay que envia sinais conflitantes

28 de julho de 2020

Normalmente ativo em questões políticas, o Papa Francisco tem se calado sobre a proposta de legislação italiana sobre "homofobia", um projeto de lei que ameaça criminalizar a oposição religiosa ao estilo de vida LGBT.

"O Papa Francisco, conhecido por adotar visões liberais sobre questões sociais, manteve um silêncio notável sobre o assunto", relata o Financial Times. John L. Allen Jr. da Crux relata que as pessoas ao redor de Francisco até enviaram sinais de apoio a elementos do projeto de lei:

o jornal dos bispos italianos, Avvenire, escreveu que o projeto de lei não deve ser descartado como "propaganda LGBT", e o padre jesuíta Antonio Spadaro, uma figura muito próxima ao Papa Francisco, tuitou em 15 de junho - cinco dias depois que os bispos disseram que não há necessidade de uma nova lei - que "é necessário apoiar as regras que têm o significado de defender pessoas vulneráveis", acrescentando que tais medidas também "não devem ser ofensivas às ideias legítimas".

Allen continua que o silêncio do Papa está promovendo confusão:

Até o momento, Francisco ficou de fora, evitando até mesmo comentários indiretos sobre o projeto de lei. De fato, isso criou uma situação em que tanto apoiadores quanto opositores citam o Papa, os partidários frequentemente apontam "Quem sou eu para julgar?" enquanto os opositores apelam para a crítica do Papa à "teoria de gênero" e sua insistência de que o casamento é um vínculo entre um homem e uma mulher.

A votação parlamentar poderia ocorrer já em 27 de julho, o que significa que o conjunto de reivindicações em questão sobre a posição do Papa poderia se tornar mais forte, gerando pressão para tomar uma posição ou explicar por que não tomá-la.

O silêncio do Papa não deve surpreender ninguém. A guerra cultural faz com que ele se sinta muito desconfortável. Que as pessoas têm que adivinhar que a posição do Papa é em si um sinal de disfunção na Igreja.

Em 2016, enquanto o México estava debatendo o casamento gay, o núncio do Papa Francisco, Franco Coppola, anunciou que "não tinha ordem do Papa sobre o assunto" e que "poderia responder com a doutrina da Igreja, mas não é a resposta que devo dar como pastor". Essa é a resolução da Igreja sob Francisco.

O arcebispo Carlo Vigan, que deu outra entrevista na semana passada, tem uma explicação para a relutância do Papa em defender o ensino da Igreja sobre a homossexualidade: ele e seus assistentes simplesmente não acreditam nisso. Vigan diz:

Para Bergoglio e sua comitiva, a não é um pecado que reivindica vingança na presença de Deus, como ensina o Catecismo. As palavras de Bergoglio sobre este assunto - e ainda mais as ações e palavras daqueles ao seu redor - infelizmente confirmam que uma operação de legitimação da homossexualidade está em curso, e que os prelados e teólogos que estão realizando essa discussão, afirmaram inequivocamente que são infiéis ao ensino católico.

O próprio Cardeal Tobin - cujas mensagens embaraçosas (supostamente para seu amante gay) em seu celular falam por si mesmos - declarou claramente que não concorda com a condenação da presente no Catecismo, recusando-se a definir atos homossexuais como intrinsecamente desordenados. E essas declarações seguem o apoio do Cardeal Tobin ao livro do Padre James Martin, Building a Bridge, S.J., que tem o mesmo conteúdo. Assim, encontramos um amigo cardeal de McCarrick alinhado em favor dos movimentos LGBT e jesuíta que Bergoglio nomeou como Consultor da Secretaria de Comunicações da Santa Sé, convidando-o até a falar no Encontro Mundial de Famílias em Dublin em 2018 e recebendo-o na plateia."

Na guerra cultural, o mundo enfrenta não a Igreja militante, mas a confusa Igreja. O Papa Francisco é o papa permissivo e enviar sinais contraditórios é sua marca registrada. Muitas vezes faz parecer que o ensino da Igreja deve ser colocado em votação. Uma vez ele disse: "Para encontrar o que o Senhor pede de sua Igreja hoje, devemos prestar atenção aos debates do nosso tempo e perceber a 'fragrância' dos homens desta época."

Que fragrância? Nas janelas que o Papa abriu não há fragrância, mas enxofre, sufocando a Igreja a ponto de ele se recusar a lutar até mesmo as batalhas mais óbvias na guerra cultural.

https://spectator.org/author/gneumayr/

Fonte:https://religionlavozlibre.blogspot.com/2020/07/un-papa-pro-gay-que-envia-senales.html?


 

 
 
 

Artigo Visto: 167 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.234.040 - Visitas Únicas Hoje: 368 Usuários Online: 125