"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
20/02/2021
O JESUÍTA QUE COMPREENDEU
 

O JESUÍTA QUE COMPREENDEU

20-02-2021

Padre Barruel o Jesuíta que o entendeu há 200 anos. Ele estudou a trama maçônica global liderada pelos Illuminati da Baviera para a conquista do poder e a destruição da religião católica e da sociedade organizada.

por Francesco Lamendola 

Padre Barruel, o jesuíta que 200 anos atrás tinha percebido

Na pesquisa sobre as origens das teorias da conspiração, encontramos a figura do padre jesuíta Augustin Barruel (Villeneuve de Berg, Ardèche, 2 de outubro de 1741-Paris, 5 de outubro de 1820), autor de um estudo monumental e muito lúcido sobre a existência de uma conspiração maçônica global , liderada pelos Illuminati da Baviera, para a conquista do poder e a destruição da religião católica e da sociedade organizada. Chegou a hora de olhar mais de perto esse progenitor da conspiração e sua gigantesca obra, resultado de uma vida inteira de pesquisas. Recorde-se que a Ordem fundada por Santo Inácio de Loyola foi suprimida por Clemente XIV a 21 de julho de 1773, sob pressão dos tribunais europeus que já os tinham expulsado dos seus Estados, com o decretoDominus ac Redemptor , e reconstituído apenas com a bula Sollicitudo omnium ecclesiarum de Pio VII, em 7 de agosto de 1814, ou seja, mais de quarenta anos depois; portanto o abade Barruel, que estava formalmente "desempregado", pôde despender todas as suas energias na árdua busca que se havia prometido realizar, ainda que a certa altura tivesse que fugir da França e se mudar para Londres, para não cair nas mãos do governo jacobino na época do Terror.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-01QUADRIBIS/00-LOYOLA_GESUITI.jpg

Santo Inácio de Loyola fundador dos Jesuítas

É assim que Celestino Testore relembra seu trabalho na magnífica Enciclopédia Católica, um verdadeiro canto do cisne da cultura católica às vésperas da geada do Concílio Vaticano II que teria queimado suas raízes (Cidade do Vaticano, Instituto da Enciclopédia Católica, 1949, vol. 2, col. 898):

Iniciou a sua atividade literária com “Les Helviennes ou Lettres provinciales philosophiques” (3 vols., Amsterdam-Paris 1781; vers. It., Veneza 1801) contra as aberrações dos enciclopedistas; de 1788 a 1792 dirigiu a “Journal ecclesiastique ou Bibliothèque raisonnés des sciences ecclesiastiques, tomando emprestada sua direção e orientando-a para a crítica dos acontecimentos públicos revolucionários e anti-religiosos; o que, ofendendo os jacobinos no poder, obrigou o jornal a parar de publicar. Ao mesmo tempo, publicou numerosos panfletos, nos quais atacava a constituição civil do clero, o juramento civil, os padres juramentados e que depois reunia na "Collection ecclesiastique ou requeil complet des ouvrages fait depuis l'ouverture des Etats généraux , relativement au clergé à the civil constitution, decretée par l'Assemblée nationale, sanctionné par le roi (14 vols, Paris 1791-93; vers. it 16 vols., Veneza 1791-95), uma importante mina de documentação de eventos. Em Londres, ele aguardou a publicação de duas outras obras históricas muito importantes: "Histoire du clergé pendant la révolution française" (Londres 1793; vers. It. 3 vols., Roma 1794-95) e "Mémoires pour servir à l'histoire du jacobinisme "(4 vols., Londres, 1797-98; vers. It. 13 vols., Veneza 1799-1800; 2 vols., Roma 1887), em que tentamos provar como a Revolução é a consequência da conspiração conjunta de incrédulos, maçons, republicanos e iluministas. Tese rica em documentação; exata, se tomada como um todo, mas precisa de revisão e correção nos detalhes. De volta a Paris, com a obra "Du pape et de ses droits religieux" (Paris 1802), ele defendeu a nova concordata contra os ataques dos galicanos. No final de sua vida, ele estava preparando uma refutação da filosofia kantiana e o desenho de uma história das sociedades secretas na Idade Média.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-VATICANO/000-RONCALLI_MASSONE.jpg

O "bom" Papa João XXIII

Como podem ver, nesta "voz" prevalece o aspecto expositivo e documental; o avaliativo está presente apenas no final, aliás de uma forma um tanto prudente: as obras de Barruel são fiáveis ​​na substância, mas contêm defeitos nos detalhes. Observe o ano em que a Enciclopédia Católica foi publicada. No pontificado de Pio XII algumas coisas ainda podiam ser ditas, mas com certa cautela: um sinal de que a infiltração maçônica já operava dentro da Igreja, embora ainda não fosse forte o suficiente para passar à repressão e redução ao silêncio de os oponentes. Foram anos em que a presença das lojas preocupou muito o pontífice, que encomendou um sacerdote muito corajoso, padre Luigi Villa(1918-2012), para conduzir uma missão secreta para identificar e documentar a presença maçônica nas fileiras do clero. Também São Pio de Pietrelcinaconfiou esta tarefa a Pe. Vila, claro que a nível espiritual: São Pio, que também percebeu e compreendeu quão profundamente as lojas se haviam incrustado, como um câncer, no tecido da Igreja e quão grave era o perigo que representavam pela pureza e integridade da doutrina católica e da vida cristã. Na verdade, Don Villa escapou de sete tentativas de assassinato ao longo dos anos, graças a uma proteção especial da Virgem Maria: todos liderados por padres maçons que queriam eliminá-lo, fechando sua boca para sempre. E enquanto o Padre Barruel podia publicar seus pesados ​​volumes e vê-los traduzidos e impressos em todos os países da Europa, o Padre Vilela logo se viu obrigado a prosseguir sozinho, porque Pio XIIele tinha falecido e ninguém poderia cobri-lo e proteger suas costas. Bastava publicar o fruto da sua pesquisa em privado e criar uma revista, ainda existente, a Chiesa viva , para continuar a batalha e semear a semente que outros teriam colhido.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-VATICANO/0-pio-legge.jpg

São Pio de Pietrelcina

Tampouco se deve esquecer que uma das primeiras coisas que João XXIII fez depois de eleito foi exacerbar a verdadeira perseguição de que São Pio era objeto: foram precisamente esses, para o frade santo estigmatizado, os anos mais difíceis, os de mais julgamentos amargos, quando lhe foi ordenado que deixasse de celebrar a Santa Missa em público, que não confessasse mais os seus penitentes e até que alguém colocasse uma escuta no confessionário, enquanto circulavam rumores pérfidos de alegados relatos não corrigidos de que ele se divertia com certas mulheres que eram suas filhas espirituais. Evidentemente o "bom" papatinha um negócio inacabado com o santo frade, culpado, além de personificar uma concepção do catolicismo e um tipo de espiritualidade que foi, e está, nos antípodas do planejado "espírito conciliar", de denunciar abertamente a obra que Satanás estava conduzindo contra a Igreja por meio da Maçonaria; assim como Bergoglio, logo que foi eleito, mostrou que queria fechar as contas com suas "feras negras", os Franciscanos da Imaculada , perseguidos por ele e encomendados com procedimento brutal e ilegítimo (porque ilegítimo, na opinião de muitos canonistas eruditos, é a proibição que lhes foi feita de celebrar a Santa Missa segundo o antigo rito, contradizendo o motu proprio de Bendetto XVI Summorum pontificum) Afinal, desde há vários anos se viu que falar sobre este tema significa despertar a ira da Igreja "oficial": como não notar a cortina de silêncio que caiu sobre a memória de padre Stefano Gobbi, fundador do Movimento Sacerdotal Mariano, culpado, também 'ele, de ter falado muitas vezes da infiltração maçônica na Igreja e, o que é pior, de tê-lo feito na forma de mensagens recebidas diretamente, por locução interior, da Santíssima Mãe de Deus? E como esquecer aquele terrível e inédito Caros frades maçons que o cardeal Ravasi dirigiu aos "irmãos" em aventais das páginas do jornal (maçônico) Il Sole 24 Ore? Ou os elogios contínuos, agora quantificáveis ​​em dezenas, com os quais os órgãos oficiais da Maçonaria se dedicam a engrandecer a obra do atual papado, especialmente a partir do documento de Abu Dhabi e em vista do sábado satânico de Astana, no Cazaquistão, como o Arcebispo Carlo Maria Viganò chama isso com razão?

http://www.accademianuovaitalia.it/images/ULTIME/0000-DON_VILLA.jpg

A tumba de Don Luigi Villa

Sabemos que o Padre Barruel teve a coragem de nomear a conspiração maçônica mundial, e que ao lado das de Voltaire, Rousseau, D'Alembert, Montesquieu, fez também a de um poderoso arcebispo, amigo e confidente de D'Alembert, Étienne-Charles de Loménie de Brienne (1727-1794), a quem chegou a chamar de "o protetor da conspiração" e que não era outro senão o Ministro das Finanças no ano imediatamente anterior à eclosão da Revolução. Mas e se Barruel tivesse descoberto que não este ou aquele cardeal, mas todo ou quase todo o colégio cardinalício era formado por maçons? Pois bem, esta é a situação em que qualquer pessoa se encontraria, hoje, no seu trabalho de investigação e contra-informação: uma situação pior, mas não muito diferente, em substância, daquela que teve de enfrentar.Don Luigi Villa . Além disso, o fato de que a situação se agravou desesperadamente é comprovado pelo fato de que os prelados maçônicos nem mesmo se preocupam em esconder suas simpatias abertas pela Maçonaria, como vimos com o arcebispo de Milão, o jesuíta Carlo Maria Martini e como o faz Monsenhor Gianfranco Ravasi . Mas de que se envergonham hoje os prelados da Santa Igreja Romana? Nem para fazer o elogio exaltado do falecido Marco Pannella, como no caso de Monsenhor Paglia; nem para negar o pecado de Sodoma, como o fez o bispo Nunzio Galantino; nem chamar a signora Emma Bonino de grande italiana , como fez Bergoglio. Mas vamos voltar ao trabalho de Barruel. Uma extensa entrada da Wikipedia, do qual relatamos um pequeno excerto, é dedicado às Memórias para a história do jacobinismo :

No "Discurso Preliminar", Barruel distingue três formas de conspiração: "a conspiração da maldade" contra Deus e o Cristianismo, a "conspiração da rebelião" contra reis e monarcas e "a conspiração da anarquia" contra a sociedade como um todo ] . O autor define o final do século XVIII como “uma cadeia ininterrupta de artimanhas, artimanhas e seduções”, visando a “derrubada do altar, a ruína do trono e a dissolução de toda a sociedade civil”.

O primeiro volume examina a conspiração anticristã que começou em 1728, ano em que, segundo Barruel, Voltaire dedicou sua vida à aniquilação do cristianismo. Barruel examinou os escritos dos principais autores do Iluminismo e observou as estreitas ligações entre a filosofia do Iluminismo e as perseguições anticristãs do período revolucionário (...)

O segundo volume se concentra na conspiração antimonarquista liderada por Jean-Jacques Rousseau e o Barão de Montesquieu. Esses conspiradores pretendiam destruir monarquias estabelecidas sob o pretexto de trazer "independência e liberdade". Barruel analisa e critica “O espírito das leis” de Montesquieu e “O contrato social” de Rousseau, pois a aplicação das ideias expressas nestas duas obras “deu origem àquele espírito inquieto que procurou investigar os direitos dos soberanos, nos limites de sua autoridade e sobre os alegados direitos do homem livre, sem os quais todo súdito é estigmatizado como escravo - e todo rei como déspota ”.

O terceiro volume dos "Mémoires" trata da conspiração anti-social que era o objetivo dos maçons e da Ordem dos Illuminati. Os "Philosophes" com seu ataque à Igreja e ao trono haviam pavimentado o caminho para a conspiração liderada por essas sociedades secretas. Barruel acreditava que esses grupos formavam uma única seita com mais de 300.000 membros "todos fanáticos apoiadores da Revolução, prontos para se levantar ao primeiro sinal e sacudir as outras classes do povo". Depois de examinar minuciosamente a história da Maçonaria, Barruel chega à conclusão de que seus mistérios mais elevados sempre foram de natureza ateísta e republicana. Barruel acreditava que os maçons haviam mantido seus objetivos e slogans em segredo por décadas, mas que em 12 de agosto de 1792, dois dias depois da queda da monarquia francesa, eles os proclamaram abertamente nas ruas de Paris. As palavras secretas eram Liberdade, Igualdade, Fraternidade e o propósito secreto era a derrubada da monarquia francesa e o estabelecimento da república. (...)

Em “Mémoires”, Barruel argumenta que a “Encyclopédie” de Diderot foi na verdade um projeto maçônico. Para ele, as obras dos "Filosofos" tinham como objetivo impregnar a sociedade em todas as suas vertentes e que a "Enciclopédia" tinha particular importância para a concretização desse objetivo. A "Encyclopédie" foi apenas o primeiro passo na difusão de novas idéias em toda a humanidade e foi necessária para fazer circular escritos ímpios e antimonárquicos.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-02QUADRITRIS/00-MASSONERIA_SATANIKA.jpg

O Grande Arquiteto do Universo dos Maçons, ou Lúcifer!

Nas guerras modernas, quem ganha pega tudo, até o passado, e o reescreve para seu próprio uso e consumo. Na guerra que travou por mais de três séculos contra a Igreja Católica, a Maçonaria venceu (no nível humano e material, veja bem: porque a Igreja, como instituição divina, é invencível e logo se levantará novamente), portanto toma a dianteira, ao luxo de retratar como paranóicos todos aqueles que, a tempo ou no último momento, denunciam suas manobras. E o mesmo ocorre na esfera civil, com governos e políticas estaduais, onde a Maçonaria também se firmou no poder em quase todos os lugares. A palavra conspiração passou, portanto, da designação de quem trama conspirações para quem os inventaria. Por sua vez , Abade Barruel, ao afastar ainda mais o olhar em busca das origens da conspiração, percebeu que era necessário examinar as heresias e seitas medievais, os cátaros, os templários: e foi durante esse último, enorme esforço que a morte o interrompeu mão de trabalho. Existe um Abade Barruel hoje? Claro: além do já citado Don Luigi Villa, podemos citar Epifânio: seu livro Maçonaria e Sete Segredos é uma mina de notícias.

Fonte: http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/storia-e-identita/storia-moderna/9926-il-gesuita-che-aveva-capito

 
 
 

Artigo Visto: 248 - Impresso: 6 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 4.525.107 - Visitas Únicas Hoje: 1.194 Usuários Online: 214