"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
03/01/2015
OS DIREITOS DE DEUS
 

OS DIREITOS DE DEUS

02/01/2015

Quero render aqui um especial preito de homenagem Àquele que tudo é, e sem o qual nada nem ninguém existiria.

http://www.adf.org.br/home/wp-content/uploads/2014/12/Nosso-Senhor-Jesus-Cristo-ladeado-de-alguns-santos.-Obra-de-Jacopo-di-Meliore1.jpg

Nosso Senhor Jesus Cristo ladeado de alguns santos. Obra de Jacopo di Meliore

Àquele que, se deixasse de pensar e sustentar o mundo e os homens, estes simplesmente se desfariam.

Entretanto, o dia 10 de dezembro, escolhido pelo orgulho humano “libertado de preconceitos religiosos” como data comemorativa de seus direitos — os quais, na maioria das vezes, têm significado o espezinhamento puro e simples dos Direitos de Deus — é na realidade a data da festa de Nossa Senhora de Loreto.

D’Aquela que, por sua humildade, encontrou graça diante de Deus e cuja casa foi transportada milagrosamente do Oriente por Anjos, encontrando-se hoje na Itália.

http://3.bp.blogspot.com/-iTr1qhNVTHY/T4pE0eIAqSI/AAAAAAAADAg/0fhPssPe-lU/s1600/Translacao+Santa+Casa.jpg

Com efeito, Deus é Senhor nosso por direito e por conquista. Por direito, por ser o nosso Criador, o único a nos dar a vida e o único com o direito de tirá-la.

E por conquista, por nos ter remido pelo preço de seu preciosíssimo Sangue vertido até à sua última gota por nós na Cruz.

Pois bem, o Criador não nos criou e deixou-nos em seguida à deriva. Para que pudéssemos cumprir a razão de ser de nossa existência — conhecer, amar e servir a Deus e depois gozar da felicidade eterna no Céu —, Ele nos transmitiu os seus preceitos, consubstanciados nos Dez Mandamentos.

Trata-se do mais perfeito dos códigos, cuja observância nos traria toda a felicidade possível nesta Terra de exílio.

Mas também, ao nos ensinar no Pai-Nosso “venha a nós o vosso Reino, seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu”, Ele quis nos mostrar que os Dez Mandamentos não foram ditados apenas para serem praticados na esfera individual, mas devem regular toda a vida em sociedade, penetrando as leis, as artes, os costumes, a literatura, as instituições do Estado, etc.

Assim, ao invés de milhões de leis, de várias dezenas de ministérios, de autarquias, e de quanto mais se queira, todos ineficazes ou quase tanto, tudo funcionaria indizivelmente melhor se os homens fizessem caso do preceituado em somente dez pontos pelo nosso Criador — que é também nosso Pai — com vistas a alcançar a felicidade terrena e eterna.

Foi o que aconteceu na Idade Média, A doce Primavera da Fé, cujos detratores insistem em chamar de Noite de mil anos, embora vivam visitando as maravilhas surgidas de suas “trevas” e frequentando as suas Universidades em busca de luz…

Com efeito, na Idade Média, a generalidade das pessoas, das instituições e dos Estados procurava se inspirar na doutrina católica, dando origem a uma sociedade teocêntrica, ou seja, que tinha a Deus no centro.

Mais tarde, por ocasião do “Renascimento”, o mundo ocidental se “emancipou”, indo exumar os restos do paganismo com os quais construiria uma sociedade antropocêntrica, cujo auge estamos vivendo com a exaltação dos direitos humanos e o completo olvido dos Direitos de Deus.

Quem quiser se aprofundar a respeito, recomendo vivamente a obra-prima Revolução e Contra-Revolução, do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira.

Concluo com estas palavras lapidares da Encíclica Immortale Dei, com as quais o Papa Leão XIII descreveu a Idade Média:

    “Tempo houve em que a filosofia do Evangelho governava os Estados. Nessa época, a influência da sabedoria cristã e a sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos, todas as categorias e todas as relações da sociedade civil.

    Então a religião instituída por Jesus Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era florescente, graças ao favor dos príncipes e à proteção legítima dos magistrados.

    Então o sacerdócio e o império estavam ligados em si por uma feliz concórdia e pela permuta amistosa de bons ofícios.

    Organizada assim, a sociedade civil deu frutos superiores a toda expectativa, frutos cuja memória subsiste e subsistirá, consignada como está em inúmeros documentos que artifício algum dos adversários poderá corromper ou obscurecer.”
 

Fonte:http://www.adf.org.br/home/2015/01/os-direitos-de-deus/?

 
 
 

Artigo Visto: 611 - Impresso: 15 - Enviado: 4

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.583.176 - Visitas Únicas Hoje: 1.298 Usuários Online: 229