"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
13/05/2018
Quer entender a Liga dos sábios? Leia Bento XVI. Um de seus grandes livros cheios de sabedoria (e também de reflexões políticas)
 

Quer entender a Liga dos sábios? Leia Bento XVI. Um de seus grandes livros cheios de sabedoria (e também de reflexões políticas)

Postado 12 de maio 2018 01:27 PM PDT

https://www.antoniosocci.com/wp-content/uploads/2018/05/timthumb-768x469.jpg

Há alguns anos, Matteo Salvini - em Pontida - elogiou a camiseta onde estava escrito "Meu  Papa é Bento XVI". Ele o fez em polêmicas implícitas com a migração de Bergoglio.

Salvini recordou o ensinamento do papa Ratzinger e de João Paulo II de que, antes do direito de emigrar, deveria ser reafirmado o direito de não emigrar. E a identidade dos povos deve ser defendida.

Mas muito mais extenso do que esse tema em particular é a sobreposição entre as batalhas políticas de sua Liga e os ensinamentos de Bento XVI (e João Paulo II).

O último livro acabado de ser lançado pelo Papa emérito, "Libertar a liberdade". Fé e política no terceiro milênio "(Cantagalli). Primeiro de tudo, é um livro cheio de reflexões e idéias que imediatamente nos lembra o encanto e a vastidão do pensamento de Ratzinger.

Um pensamento que é gigantesco quando comparado à miséria e ao conformismo superficial do discurso claudicante bergogliano, que não vai além dos banais slogans "politicamente corretos" apreciados pelos donos do vapor.

Portanto, nem sequer vou tentar resumir as muitas páginas maravilhosas de Bento XVI que vão desde Kant até Solzhenitsyn, desde a primazia da consciência até Sakharov, de Popper a Sartre, da meditação sobre a música de Bach à paixão de Cristo em relação a "Sexta-feira Santa do século XX" à concepção do estado dos primeiros cristãos, do crucifixo de Grünewald (o famoso Altar de Isenheim) a Marx e Lênin.

Todos podem se deliciar com essas páginas ratzingerianas que são brilhantes e vastas como um belo vale no interior da Toscana.

Aqui, no entanto, eu gostaria de considerar este livro como se fosse uma intervenção real sobre assuntos políticos atuais, acima de tudo o italiano e enuclear os temas e pensamentos que - enquanto representando uma poderosa sugestão para todos - constituem para Matteo Salvini e a Liga uma contribuição autoritária para certas batalhas.

Primeiro de tudo, a questão islâmica. Neste volume, o mítico discurso de Ratisbona não se repete (foi publicado em outro lugar), mas a apologia que - em diálogo com Marcello Pera - Bento XVI faz dos direitos humanos como "força reconhecida pela razão universal em todo o mundo é preciosa" contra ditaduras de todos os tipos ": se no século XX esta afirmação dizia respeito apenas aos sistemas ateístas totalitários de hoje - diz o papa - diz respeito sobretudo a" Estados fundados na justificação religiosa, como os encontramos especialmente no mundo islâmico ".

Todo este livro de Bento XVI - de acordo com o discurso de Regensburg - é uma apologia da razão e do verdadeiro secularismo que nasceu do cristianismo (em oposição à divinização do poder imperial da antiguidade).

Outro tema que enriquece a perspectiva política do líder da Liga é a polêmica de Bento XVI com a atual Europa, cuja tecnocracia procura impor um único pensamento positivista que, no entanto, representa o suicídio da Europa.

Porque - como recorda o papa - "a herança cultural da Europa" é muito mais ampla e, historicamente, precisamente "com base na crença sobre a existência de um Deus criador, a idéia de direitos humanos foi desenvolvida, a idéia da igualdade de todos os homens perante a lei, o conhecimento da inviolabilidade da dignidade humana em cada pessoa e a consciência da responsabilidade dos homens por suas ações. Esse conhecimento da razão constitui nossa memória cultural. Ignorá-lo ou considerá-lo como um mero passado seria uma amputação de nossa cultura (...). A cultura da Europa nasceu do encontro entre Jerusalém, Atenas e Roma - do encontro entre a fé em Deus de Israel, a razão filosófica dos gregos e o pensamento jurídico de Roma. Este triplo encontro forma a identidade íntima da Europa ".

Daí vem a responsabilidade de lutar "pela dignidade inviolável do homem". Deste encontro triplo "estabeleceu-se critérios de lei, para defender qual é a nossa tarefa neste momento da história".

Mas, além de quebrar o mito ideológico da Europa relativista de Maastricht, Bento XVI destrói a outra divindade do momento: os mercados. Uma divindade saudada e adorada a quem os Estados e os povos são sacrificados.

Contra a religião mercantista, o livro repropõe a Mensagem de 1º de janeiro de 2013, onde, no furor da crise econômica, Bento XVI promete "um novo modelo econômico" em que a "maximização do lucro" dá lugar à primazia do bem comum.

Por conseguinte, apela aos Estados para que retomem as iniciativas econômicas com "políticas de desenvolvimento industrial e agrícola" (daí Keynes, impossibilitado pela moeda única na Europa) e apela para a "estruturação ética fundamental e indispensável dos mercados monetários e financeiros". e comercial para não prejudicar os mais pobres ".

O que significa reivindicar a primazia de estados e povos nos mercados. Hoje é um pensamento revolucionário.

Bento XVI é tão pouco convencional e indigesto para o poder global que, na recente entrevista ao livro "Last Conversations", ele permitiu uma crítica elegante a Obama e uma apreciação significativa pelo líder russo:

"(Com Putin) falamos em alemão, ele sabe perfeitamente. Não fizemos profundos discursos, mas creio que ele - um homem de poder - é tocado pela necessidade da fé. Ele é realista. Ele vê a Rússia sofrendo com a destruição da moralidade. Mesmo como um patriota, como uma pessoa que quer trazê-la de volta ao papel de grande poder, ele entende que a destruição do cristianismo ameaça destruí-lo. Ele percebe que o homem precisa de Deus e está certamente intimamente tocado. Mesmo agora, quando ele deu o ícone ao Papa Francisco, ele primeiro fez o sinal da cruz e beijou-o ".

Podemos dizer que, juntamente com a Constituição e o Evangelho, os sábios na próxima manifestação podem acenar para o livro de Bento XVI, uma grande reflexão política.

Antonio Socci

De "Libero", 12 de maio de 2018

Fonte: https://www.antoniosocci.com/volete-capire-la-lega-di-salvini-leggete-benedetto-xvi-un-suo-grande-libro-pieno-di-sapienza-e-anche-di-riflessioni-politiche/

 
 
 

Artigo Visto: 425 - Impresso: 10 - Enviado: 5

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.280.490 - Visitas Únicas Hoje: 102 Usuários Online: 85