"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
31/01/2019
As remelas de Algarañaz
 

As remelas de Algarañaz

28 de janeiro de 2019

https://i.pinimg.com/564x/2c/5a/50/2c5a50e7ac45f28960ef5c58b1ff10f3.jpg

O jornalista Julius Algañaraz tem remela. Ou pelo menos isso parece quando se lê sua coluna que apareceu ontem no Clarín. E eu suspeito que estas secreções amareladas estejam presas aos seus cílios, porque mal se pode ver a realidade, ou vê-la desfigurada e se pretende que seus leitores a vejam da mesma maneira.

Julio Algarañaz iniciou seu trabalho como jornalista durante o ano "70 quando, ligado à esquerda peronista, serviu como vice-diretor do jornal La Opinión, que dizia estar " na direita sobre economia, no centro sobre política, e na esquerda sobre cultura ", e onde ele foi companheiro de heróis como Horacio Verbitsky e Paco Urondo. Quando o governo militar fechou o jornal, Algarañaz se exilou na Europa, e ainda vive lá, sofrendo no exílio de sua residência romana.

As crônicas que ele escreve sobre o que acontece no Vaticano são sempre dolorosas, mas desta vez ele conseguiu superar a si mesmo. É notável o esforço desajeitado dele para manipular a realidade evidente do fracasso retumbante de Bergoglio e a alegação de que seus leitores compram sua análise é notável.

Para Algarañaz, o problema não é que o tapete foi levantado e uma enorme multidão de sacerdotes homossexuais que são predadores de crianças e adolescentes apareceram na igreja. Nem é que eles estiveram disfarçados há anos e, pior ainda, que a cobertura máxima foi o próprio Papa Francisco, como é claro no caso do antigo Cardeal McCarrick em que, em dúvida, esclarece que em breve será reduzido ao estado leigo, e acrescenta em sua ignorância "na prática [o papa] vai expulsá-lo da Igreja".

https://1.bp.blogspot.com/-RUc9NXqyqUE/XE3wqOyxwJI/AAAAAAAAHlo/HDP2nLwp48g-p_GHTbVJ5XEeibKbiPWGwCK4BGAYYCw/s400/gustavo_zanchetta_1.jpg

Também não é um problema que tenhamos um bispo argentino, Dom Gustavo Zanchetta, que tirou fotos nuas e posturas eróticas para compartilhar com seus contatos e amizades colhidas em páginas pornográficas, que então se dedicou a abusar de seus próprios seminaristas, e que, uma vez apressadamente renunciou à sua sede, o Papa Francisco lhe criou um cargo num alto organismo do Vaticano, sabendo de todos os seus antecedentes e ter visto até mesmo as fotografias indecentes, como é evidente a partir da declaração do Valiant P. Manzano, Vigário geral do Bispo depravado.

Não, para Algarañaz tudo isso não é um problema. O verdadeiro problema é que os setores ultraconservadores da Igreja estão usando estas minúcias para usar a figura do Pontífice e forçar sua renúncia: "o grande problema é a conspiração crescente tecida pelos ultraconservadores." E cheirando a naftalina, acrescenta que esses setores são apoiados e sustentados economicamente pelo governo de Trump que suspeita que o beato Jorge Bergoglio é um comunista. Algarañaz encontrou a mãe do cordeiro: o imperialismo capitalista, o mesmo culpado que vem encontrando desde seus anos setenta em La Opinión.

O artigo remeloso, no entanto, nos serve para advertir que o Papa Francisco está em uma situação muito delicada.

Bergoglio falhou rotundamente. O compadrito Porteño e o ponteiro da vizinhança que acreditavam que, com as picardias que ele usava em Buenos Aires, seria capaz de fazer das suas em Roma, ele se chocou contra uma parede, a de sua própria inutilidade.

Porque o problema mais importante - e isso não é advertido ou notado por Algarañaz - não são os abusos ou encobrimentos, mas o estado de tensão e confusão que levou à Igreja que está à beira de um cisma.

O jornalista afirma em sua nota que "uma fonte disse ao Clarín que um grupo de cardeais está sendo solicitado a pedir uma audiência e a levantar agressivamente a questão". São notícias antigas. Isso é conhecido há semanas. E os cardeais que iria enfrentá-lo não seria os eméritos velhinhos da dubia acompanhado pelo santo e ingênuo Burke, mas seria pesos pesados aos quais não iriam despachar com um conto de maçons ou tradicionalistas, nem mudariam o retrato que tem sobre sua mesa, a fim de despertar simpatia de acordo com a ocasião tal como fazia seu mestre Perón.

Porque a verdade é que não se sabe quem formaria esse grupo de cardeais, pois ambos poderiam ser os que se enfurecem com as novidades introduzidas na doutrina da Igreja, ou os que se enfurecem com a falta de novidades em troca da qual votaram a favor. E isso acontece porque Bergoglio jogou em duas extremidades, e acontece que ambas as esposas se avivaram e estão encurralando-o.

Francisco terá que lidar com eles, no final de fevereiro, com os presidentes de todas as conferências episcopais do mundo para lidar com o assunto dos abusos. Ninguém espera que qualquer medida relevante para resolver o problema saia dessa reunião (a única medida eficaz seria ordenar uma limpeza interna das fileiras do clero e do episcopado em que não menos de um terço deles cairia), mas uma reunião desse tipo, mesmo que seja digitado, pode ser facilmente retirado das mãos.

Nem todos serão cães mudo obsequiosos como Mons. Ojea ou como alguns outros bispos que lhe devem seus cinturões violetas. Receio que o Cardeal Di Nardo não fique calado e muitos outros que estão no topo do portenho.

A estratégia poderia ser forçar a renúncia de Bergoglio. Várias vezes dissemos neste blog que Bergoglio nunca renunciaria, por ser como é um animal de poder, mas estávamos nos referindo a que ele não o faria por questões de idade ou saúde, como foi o caso de Bento XVI. Mas se um governante ficar sem apoio para a direita ou para a esquerda, dificilmente poderá permanecer no trono. O papa não tem, como Maduro, um exército atrás dele para apoiá-lo. Seu apoio é seus cardeais e bispos; Se estes lhe plantam, estará com sérios problemas.

O tonto do Algarañaz disse que "os conspiradores não podem promover o desastre de uma Igreja que teria três papas", não sabendo que esta situação já foi vivida pela Igreja (finais do século XIV), e naquela época não eram três papas com dois deles eméritos, mas de três papas reinantes e beligerantes entre eles.

Sempre será mais barato construir uma geriatria para os papas eméritos do que suportar o colapso da igreja que estamos assistindo. E o jornalista acrescenta que "o mais provável é que Jorge Bergoglio responda exercendo seu poder disciplinar absoluto se alguns se atreverem ao desafio máximo de sua autoridade". Aqui estão as convicções democráticas e os discursos progressistas de Julio Algarañaz, mas não sabemos quais seriam as medidas absolutas que seriam necessárias: demitir de sua sede para Di Nardo? Excomungar os bispos africanos que se opõem às suas aberturas? Arrancar forçadamente a capa magna de Burke?

Sugiro alugar varandas para 21 de fevereiro quando, enquanto os bispos se reúnem em Roma, o livro traduzido em oito idiomas Sodoma, poder e escândalo no Vaticano, pelo sociólogo francês Frederic Martel. Curiosamente, nesse dia comemora San Pedro Damián, autor do Liber Gomorrhianus, no qual já no século XI alertou sobre os perigos de se admitir clero homossexual dentro da Igreja. Não conheço o livro de Martel, mas, por causa da poeira que está surgindo, mesmo antes de aparecer, temo que seja o que faltava para formar a tempestade perfeita que poderia dar fim ao agonizante pontificado de Bergoglio.


Fonte: http://caminante-wanderer.blogspot.com/2019/01/las-laganas-de-algaranaz.html

 
 
 

Artigo Visto: 317 - Impresso: 2 - Enviado: 1

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.388.529 - Visitas Únicas Hoje: 980 Usuários Online: 197