"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
03/05/2019
Roma Marcha pela Vida: O aborto é o "sacrifício de sangue" que o demônio agora exige.
 

Roma Marcha pela Vida: O aborto é o "sacrifício de sangue" que o demônio agora exige.

Sex 3 de maio de 2019 - 10:25 am EST

https://assets.lifesitenews.com/images/made/images/remote/https_www.lifesitenews.com/images/local/Virginia-Code-Nuziate_810_500_75_s_c1.jpg

Virginia-Coda-Nunziante, com Associazione Famiglia Domani e organizadora principal da Marcha de Roma para a vida

Por Diane Montagna

ROMA, 3 de maio de 2019 (LifeSiteNews) - As políticas pró-vida do governo Trump são um exemplo brilhante para a Europa, enquanto os políticos democratas dos EUA parecem estar servindo no altar de Satanás apoiando o infanticídio legalizado, o presidente da Marcha anual de Roma pela Vida disse antes do evento deste ano.

Em uma entrevista com a LifeSite, no período que antecede a marcha de 18 de maio pelo coração da Cidade Eterna, Virginia Coda Nunziante elogiou a ação concreta do governo Trump para proteger os mais vulneráveis entre nós. Apontando para o corte de financiamento para o aborto e seus endereços ao vivo para os participantes da Marcha pela Vida anual em Washington, ela disse que o mundo pró-vida europeu "gostaria que nossos políticos tivessem sua coragem neste aspecto específico".

No entanto, o "fator decisivo", disse ela, será a nomeação de outro juiz pró-vida para a Suprema Corte. "Se nos próximos anos o mais alto poder judiciário dos Estados Unidos adotar uma postura pró-vida, será um ponto de virada nos Estados Unidos e isso terá um forte impacto na Europa".

Questionada sobre como vê a recente legalização do aborto pela legislatura de Nova York em até nove meses, e por que ela acredita que o mal está acelerando no momento, Coda Nunziante disse: “O aborto é o sacrifício de sangue que o diabo pede às sociedades de hoje e quando você tentar atrapalhar, reduzir ou combater, o diabo desencadeia campanhas ainda mais violentas para não perder terreno ”.

"O que aconteceu em Nova York e em outros estados americanos, na minha opinião, é uma resposta que os democratas queriam dar à política prolife do presidente Trump", disse ela. "Eles queriam mostrar que o aborto é o seu cavalo de guerra e que, se o presidente prosseguisse com suas políticas pró-vida (por exemplo, nomeando um novo membro do Supremo Tribunal Federal), eles não estariam despreparados".

Falando sobre os desafios específicos enfrentados pela Itália, que tem uma das taxas de natalidade mais baixas, Coda Nunziante disse que mudar as leis pode parecer "impossível" do ponto de vista humano. Mas, acrescentou ela, "com Deus todas as coisas são possíveis".

O essencial é “erguer a bandeira da Verdade, sem compromisso, em defesa da vida e da família”, disse ela. “A verdade, como o bem, tem um poder intrínseco para espalhar e conquistar almas, a vitória final será nossa porque 'Deus venceu o mundo' (cf. Jo 16,33).”

Aqui está a nossa entrevista com Virginia Coda Nunziante, chefe da Marcha pela Vida deste ano em Roma.

LifeSite: Virginia, você falou da Marcha pela Vida anual em Washington, DC como a “mãe” de todas as marchas. Quão significativo para a Europa e a Itália, em particular, é o papel dos EUA como farol de vida?

Coda Nunziante: O exemplo que nos vem dos Estados Unidos é verdadeiramente esclarecedor. O que a Marcha pela Vida alcançou nos mais de 40 anos está aí para todos verem: toda uma geração de jovens está se tornando cada vez mais pró-vida e, com seu entusiasmo e determinação, o destino do país vai mudar. A Europa, mas principalmente a Itália - que é o país com uma das menores taxas de natalidade - deve levar o que acontece no exterior como exemplo, para colocar o tema da vida de volta ao centro da política e das políticas públicas, tanto na ação contra o aborto quanto em sua ação para promover a taxa de natalidade.

Qual é a sua impressão das políticas da administração Trump sobre a vida? Ele é visto como um presidente pró-vida na Europa?

Muito além de qualquer julgamento sobre o homem, não há dúvida de que a administração Trump deu grande atenção à questão da vida. Não consigo imaginar um Presidente em qualquer país europeu que, assim que ele é eleito, reduza o financiamento público para o aborto. Não apenas isso: seus endereços ao vivo do Salão Oval, para todos os participantes da Marcha pela Vida anual, também mostram sua atenção particular a esse tema. Não esqueçamos que ele também enviou o vice-presidente Pence para a praça por dois anos seguidos para falar no palco da Marcha pela Vida. No mundo pró-vida europeu, o presidente Trump é considerado pró-vida e gostaríamos que nossos políticos tivessem sua coragem nesse aspecto específico. No entanto, o fator decisivo será o que acontece dentro da Suprema Corte, especialmente se o presidente Trump for reeleito. Se, como espero, nos próximos anos, o mais alto poder judiciário dos Estados Unidos adotar uma postura pró-vida, será um ponto de virada nos Estados Unidos e isso terá um forte impacto na Europa.

A legislatura de Nova York aprovou recentemente uma lei que legaliza o infanticídio (aborto em até nove meses com o destino de uma criança que sobrevive a ser deixada para a mulher e seu médico), aos aplausos dos democratas. Projetos semelhantes foram introduzidos pelos democratas em outros estados? Como você explica a aceleração do mal? E como o “italiano médio” pensaria desse tipo de lei?

O que aconteceu em Nova York e em outros estados americanos, na minha opinião, é uma resposta que os democratas queriam dar à política de pré-vida do presidente Trump. Eles queriam mostrar que o aborto é o seu cavalo de guerra e que, se o presidente prosseguisse com suas políticas pró-vida (por exemplo, nomeando um novo membro do Supremo Tribunal Federal), não estaria despreparado. O aborto é o sacrifício de sangue que o diabo pede às sociedades de hoje, e quando você tenta impedir, reduzir ou combater, o diabo desencadeia campanhas ainda mais violentas para não perder terreno.

Durante minhas viagens pela Itália, toda vez que é feita qualquer referência ao que foi legalizado em Nova York, um arrepio de horror percorre a sala: as pessoas não acreditam que tais atrocidades sejam cometidas. Mas, infelizmente, é apenas uma questão de tempo: se não reagirmos imediatamente, também aceitaremos o aborto no nono mês e no infanticídio.

Este ano marca o 9 de março para a vida em Roma. Que sinais de crescimento você vê e a marcha terá um foco e um tema específicos neste ano?

Depois de nove anos, percebemos que a Marcha pela Vida se tornou uma realidade forte, uma reunião anual que ninguém que é pró-vida pode perder. Nossa força reside não tanto no número de pessoas que saem às ruas, mas na consistência e perseverança de uma batalha que continuamos a lutar ano após ano, sem cair para trás, mas sim sempre ganhando terreno. O resultado mais importante que foi alcançado, na minha opinião, é ter trazido o tema da vida, da concepção à morte natural, de volta ao centro do debate público. Queremos influenciar o mundo político para mudar as leis de nosso país e, com perseverança e imensa confiança na ajuda de Deus, alcançaremos esse objetivo. Este ano, além do aborto, vamos nos concentrar na eutanásia porque um projeto de lei já está sendo discutido no Parlamento italiano. A Marcha também se tornou (e esperamos que seja cada vez mais) um evento internacional, uma reunião de líderes proletários de todo o mundo. Neste ano, a marcha será precedida e seguida por duas importantes conferências internacionais, organizadas respectivamente pela Voz da Família, de 16 a 17 de maio, no Angelicum, e por Jahlf (Academia João Paulo II para a Vida e a Família), de 20 a 21 de maio. no Hotel Massimo d'Azeglio.

A Marcha pela Vida é principalmente uma iniciativa leiga. Que nível de apoio você teve dos bispos italianos e dos prelados do exterior?

A Marcha pela Vida, como em outros países, é uma expressão de cidadãos que se preocupam com a defesa da vida. O comitê organizador da Marcha, no entanto, é formado por católicos que querem ter boas relações com o mundo eclesial. Este ano, pela primeira vez, teremos um bispo diocesano que falará do palco. Na praça também haverá outros bispos e cardeais. Entre eles, é claro, estará o cardeal Raymond Burke, presente todos os anos. Como americano, ele sabe o que significa "marchar" para a vida e é um grande exemplo para todos nós. Todos os anos há também padres, irmãs religiosas e outros religiosos de vários institutos. Mas o mais importante para nós é o apoio espiritual que os sacerdotes e os leigos nos prometem por meio da oração. A Hora da Adoração Eucarística que acontece em uma igreja romana na véspera da Marcha é muito importante para nós. Este ano terá lugar na igreja paroquial de Santa Maria Campitelli, com vários cardeais presentes.

Que desafios específicos a Itália enfrenta atualmente na frente pró-vida?

A Itália enfrenta atualmente dois desafios legislativos: a lei da eutanásia e a tentativa de revogar o direito à objeção de consciência. Mas o principal desafio é o despertar das consciências: há muitos anos o país tem sido submetido a anestesia cultural e moral e a reação a leis injustas tem sido quase inexistente. Agora devemos nos ocupar, sacudir as almas de seu sono e deixar claro que cabe a cada um de nós reagir à cultura da morte que eles querem nos impor. É necessário erguer a bandeira da Verdade, sem compromisso, em defesa da vida e da família. E uma vez que a Verdade, como o Bem, tem um poder intrínseco para espalhar e conquistar almas, a vitória final será nossa porque "Deus venceu o mundo" (cf. Jo 16:33).

Quais são as suas esperanças para a edição deste ano de março?

Esperamos ver uma participação maior a cada ano no mês de março, mas além dos números, o que realmente importa é a força e a determinação das pessoas que saem às ruas. Pessoalmente, quero que cada vez mais pessoas acreditem que a defesa da vida deve ser realizada sem compromisso, sem meias medidas. Pedimos, como sempre, a revogação da lei 194 e a suspensão da lei de eutanásia. Tudo isso parece impossível e do ponto de vista humano e talvez seja. Mas sabemos que Deus pode fazer todas as coisas e nos pede apenas pelo nosso esforço, nosso pequeno pedaço de pão: Ele realizará o milagre da multiplicação quando chegar a hora. A vitória final será certamente de Deus, mas isso não acontecerá sem a nossa participação.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/interview-on-rome-march-for-life

 
 
 

Artigo Visto: 333 - Impresso: 3 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.628.967 - Visitas Únicas Hoje: 1.305 Usuários Online: 181