"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
09/05/2019
Papa Francisco assina Motu Proprio para prevenir e denunciar abusos na Igreja Católica
 

Papa Francisco assina Motu Proprio para prevenir e denunciar abusos na Igreja Católica

09/05/2019

O Vos Estis Lux Mundi também se refere a quaisquer ações destinadas a encobrir uma investigação civil ou canônica sobre denúncias de uso de pornografia infantil, abuso sexual de menores ou coerção sexual por abuso de poder.

http://www.ncregister.com/images/editorial/Stpetersbasilica_shutterstock.jpg

Hannah Brockhaus / CNA

VATICANO - As novas normas do Vaticano para o manejo da Igreja contra o abuso sexual, divulgadas na quinta-feira, colocam seminaristas e religiosos coagidos a praticar atividade sexual por meio do uso indevido de autoridade na mesma categoria criminosa que o abuso de menores e adultos vulneráveis.

As normas também estabelecem relatórios obrigatórios para clérigos e religiosos, exigem que cada diocese tenha um mecanismo para denunciar abusos e põe o arcebispo metropolitano encarregado das investigações das acusações contra os bispos sufragâneos.

O Papa Francisco promulgou a lei em 9 de maio por meio de um motu proprio, intitulado Vos Estis Lux Mundi (Você é a Luz do Mundo). Ele aprovou sua promulgação em caráter experimental por um período de três anos. Ele entrará em vigor em 1º de junho de 2019.

"Os crimes de abuso sexual ofendem Nosso Senhor, causam danos físicos, psicológicos e espirituais às vítimas e prejudicam a comunidade dos fiéis", escreveu o papa, afirmando que a principal responsabilidade de melhorar o tratamento desses problemas cabe ao bispo, embora diga respeito a todos que têm ministérios na Igreja ou "servem ao povo cristão".

"Portanto, é bom que os procedimentos sejam universalmente adotados para prevenir e combater esses crimes que traem a confiança dos fiéis", disse ele.

As normas consideram o que é chamado, na lei canônica, de "delitos contra o Sexto Mandamento do Decálogo", consistindo em atos sexuais com uma pessoa menor ou vulnerável; forçar alguém a realizar ou submeter-se a atos sexuais por meio de violência, ameaça ou abuso de autoridade; e a produção ou posse de pornografia infantil.

A nova lei também se refere a quaisquer ações destinadas a encobrir uma investigação civil ou canônica sobre acusações de uso de pornografia infantil, abuso sexual de menores ou coerção sexual por meio de abuso de poder.

Estabelece o chamado “modelo metropolitano” para a investigação de acusações contra bispos e seus equivalentes, conforme proposto pelo cardeal Blase Cupich na reunião de novembro da Conferência dos Bispos dos EUA e na cúpula do Vaticano de fevereiro sobre a proteção de menores.

De acordo com a nova lei, o arcebispo metropolitano conduzirá a investigação sobre um bispo sufragâneo com mandato da Santa Sé. O metropolitano é obrigado a enviar relatórios à Santa Sé sobre o andamento da investigação a cada 30 dias e concluir a investigação dentro de 90 dias, a menos que seja concedida uma extensão.

O arcebispo metropolitano pode usar a ajuda de leigos qualificados para realizar a investigação, embora seja principalmente sua responsabilidade, o estado das normas. As conferências dos bispos podem estabelecer fundos para apoiar essas investigações.

O documento enfatiza que "a pessoa sob investigação goza da presunção de inocência".

No final da investigação, os resultados são enviados ao competente dicastério vaticano, que aplicará a penalidade aplicável de acordo com a lei canônica existente.

No caso de um relatório se referir a um grande arcebispo, ele será encaminhado à Santa Sé.

Um artigo declara que as autoridades da Igreja devem estar empenhadas em assegurar que “aqueles que declaram que foram prejudicados, juntamente com suas famílias, sejam tratados com dignidade e respeito”, sejam bem-vindos, ouvidos, apoiados e oferecidos assistência espiritual e assistência médica. e assistência psicológica.

As normas também introduzem reportagens obrigatórias, exigindo que todo homem ou mulher clérigo ou religioso que tenha conhecimento de uma acusação de abuso ou encobrimento apresente um relatório “prontamente” à autoridade apropriada da Igreja.

O motu proprio também declara que será necessário que cada diocese crie um mecanismo ou sistema estável através do qual as pessoas possam apresentar denúncias de abuso ou seu encobrimento. A forma exata do sistema, que também poderia ser um escritório inteiro, será deixada ao critério da diocese individual, mas deve ser estabelecida até junho de 2020.

“Mesmo que já tenha sido feito muito, devemos continuar aprendendo com as amargas lições do passado, olhando com esperança para o futuro”, escreveu o Papa Francisco.

“Para que esses fenômenos, em todas as suas formas, nunca mais aconteçam, é necessária uma conversão contínua e profunda dos corações”, disse ele, “atestada por ações concretas e efetivas que envolvem a todos na Igreja”.

“Isso só se torna possível com a graça do Espírito Santo derramada em nossos corações, já que devemos sempre ter em mente as palavras de Jesus: 'Além de mim não podeis fazer nada'”.

Fonte: http://www.ncregister.com/daily-news/pope-signs-motu-proprio-vos-estis-lux-mundi-to-prevent-and-denounce-abuses

 
 
 

Artigo Visto: 195 - Impresso: 2 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.679.782 - Visitas Únicas Hoje: 901 Usuários Online: 243