"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
21/11/2018
Até nunca mais, Rio: climatologista prevê desaparecimento de 100 cidades no próximo século
 

Até nunca mais, Rio: climatologista prevê desaparecimento de 100 cidades no próximo século

21.11.2018 - 06:02

Pelo menos 100 grandes cidades desaparecerão gradualmente no próximo século devido ao aumento do nível do mar causado pelo derretimento das geleiras, afirmou especialista.

https://cdnbr2.img.sputniknews.com/images/997/14/9971407.jpg

© AP Photo / Ramon Espinosa/AP

O glaciologista e climatologista canadense Shawn Marshall afirmou durante entrevista à RCN Radio na terça-feira (20) que isso causará uma migração massiva de pessoas em muitas regiões do mundo como consequência do degelo, que repercutirá em menos água potável.

Estima-se que muitas cidades litorâneas desaparecerão causando a migração de 1,6 bilhão de pessoas e, segundo o glaciologista, esse fenômeno é inevitável e "não há como voltar atrás".

De acordo com Marshall, de entre as principais cidades condenadas estão o Rio de Janeiro (Brasil), Nova York e Miami (EUA), Londres (Reino Unido), Pequim e Xangai (China).

O glaciologista chega à conclusão que as outras localidades longe do litoral "deverão acolher ao menos 100 milhões de refugiados nos próximos anos".

Na lista dos principais causadores dessa terrível mudança climática estão a China, Estados Unidos, Índia e Rússia, segundo o especialista, adicionando que o Ártico, Groenlândia, Rússia, Canadá, Noruega e Peru são as áreas mais problemáticas do mundo.

Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2018112112725002-rio-climatologista-preve-desaparecimento-cem-cidades-proximo-seculo/

----

Cientistas revelam como degelo de 'megaiceberg' na Antártida afetará nível do mar

19.07.2018 - 12:29

https://cdnbr1.img.sputniknews.com/images/1175/86/11758612.jpg

© AFP 2018 / Sarah Dawalibi

O degelo de uma enorme lasca da plataforma de gelo Larsen C, que se separou da Antártida no ano passado, aumentará o nível do mar em apenas alguns milímetros. Porém, a separação de outras camadas de gelo causará consequências muito maiores, relatam cientistas na revista Cryosphere.

"Embora estes números pareçam baixos, representam ainda uma pequena parte do crescimento real do nível do mar — derretem-se tanto geleiras da superfície como massas de gelo da Groenlândia e da Antártida continental. Se as tendências continuarem, então o aumento do nível do mar começará a interferir de modo significativo na vida de países ilhéus e cidades costeiras", disse Nicholas Barrand da Universidade de Birmingham.

Por muito tempo, climatólogos, oceanólogos e outros especialistas acreditaram que as mudanças climáticas poderiam destruir em primeiro lugar o depósito de gelo no norte da Terra, geleiras da Groenlândia e a calota polar.

No entanto, nos últimos anos, o pensamento nessa questão vem apresentando mudanças, pois cientistas encontraram provas que indicam que não são os gelos do norte que desaparecerão primeiro, mas os da Antártida, aumentando o nível do mar catastroficamente.

As últimas observações da NASA e da Agência Espacial Europeia apontam para a candidata mais vulnerável a ser destruída — a plataforma de gelo Larsen C, que começou a se despedaçar ainda em 1995. Umas das últimas lascas da geleira, cujo território é comparado ao da Estônia, transformaram-se em um iceberg gigante em julho do ano passado.

Felizmente, o iceberg A-68, de três milhões de toneladas, que se separou de Larsen, permanece perto da costa da Antártida sem migrar para águas mais quentes do oceano Atlântico, diminuindo, assim, o processo de degelo.

Mesmo assim, especialistas decidiram calcular as possíveis consequências em caso de destruição deste iceberg e degelo de outros icebergs vulneráveis.

A geleira Larsen e outras semelhantes representam uma espécie de rolha para fluxos de gelo, explica o autor do artigo, então seu possível desaparecimento pode vir acelerar a fuga de gelo ao mar e posterior derretimento.

Os cálculos dos cientistas acabaram sendo otimistas e assustadores ao mesmo tempo. Por um lado, se o iceberg A-68 e outras fragmentações de Larsen desaparecerem, o nível do mar aumentará apenas em 4 milímetros. Por outro lado, se outras geleiras derreterem, que ficam mais ao sul, as consequências seriam mais drásticas, pois esta geleira contém vários fluxos de gelo continentais.

Neste caso, o nível do mar crescerá até início do próximo século em ao menos 2,2 centímetros. isso já poderá afetar a vida de muitos países ilhéus nos oceanos Índico e Pacífico.

Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2018071911759018-iceberg-geleira-degelo-consequencias-nivel-mar/

 
 
 

Artigo Visto: 537 - Impresso: 3 - Enviado: 4

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.630.854 - Visitas Únicas Hoje: 515 Usuários Online: 181