"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
28/12/2017
As ameaças de um Papa à Cúria – um histórico inédito –, o escândalo Maradiaga e o endurecimento do controle no Vaticano.
 

As ameaças de um Papa à Cúria – um histórico inédito –, o escândalo Maradiaga e o endurecimento do controle no Vaticano.

https://fratresinunum.files.wordpress.com/2017/12/francisco-c3a0-cc3baria-romana-na-apresentac3a7c3a3o-dos-augc3barios-natalinos-de-2017.jpeg

Francisco à Cúria Romana, na apresentação dos augúrios natalinos de 2017

Por Marco Tosatti[1], Stilum Curiae, 21 de dezembro de 2017. Tradução: André Sampaio | FratresInUnum.com[2]

A usual série de censuras que o pontífice reinante endereça à Cúria Romana [por ocasião da apresentação dos votos natalinos, n.d.t.] foi, este ano[3] [21 de dezembro], marcada por uma escolha de tempo – eventual, ou pretendida, não sabemos – particularmente infeliz. De fato, exatamente enquanto o soberano vaticano falava da “reforma em curso” e dizia “A propósito da reforma, vem-me à mente a frase simpática e significativa de Dom Frédéric-François-Xavier de Mérode: ‘Fazer reformas em Roma é como limpar a Esfinge do Egito com uma escova de dentes’”, Emiliano Fittipaldi revelava [no jornal L’Espresso] que um dos homens mais próximos do pontífice, o cardeal Oscar Maradiaga[4], combatente da Igreja pobre para os pobres, está envolvido em casos financeiros muito controversos de milhões de euros.

No momento, Oscar Maradiaga é um dos principais conselheiros do papa; seu resoluto defensor; e é coordenador do famoso grupo de nove cardeais (o C9) que por anos vem trabalhando na reforma da Cúria, a qual, até agora, deu à luz o minúsculo bebê da unificação de alguns conselhos pontifícios em organismos maiores, e uma reforma dos meios de comunicação à qual definir como clara – ao menos nesta fase – representaria exagero.

Mas o pontífice se lançava, em seu discurso, contra outros: “Permitam-me aqui proferir duas palavras sobre outro perigo, que é o dos traidores da confiança ou dos que se aproveitam da maternidade da Igreja; ou seja, o perigo das pessoas que são selecionadas cuidadosamente para dar maior vigor ao corpo e à reforma, mas – não compreendendo a alçada da sua responsabilidade – se deixam corromper pela ambição ou pela vanglória e, quando são delicadamente afastadas, se autodeclaram falsamente mártires do sistema, do “papa desinformado”, da “velha guarda”, em vez de recitar o mea-culpa. A par dessas pessoas, há depois outras que ainda trabalham na Cúria, às quais se concede todo o tempo para retomarem o caminho certo, na esperança de que encontrem na paciência da Igreja uma oportunidade para se converterem, e não para se aproveitarem. Isso certamente sem esquecer a esmagadora maioria de pessoas fiéis que nela trabalham com louvável empenho, fidelidade, competência, dedicação e também grande santidade”.

“Delicadamente” é o advérbio que o papa Bergoglio usou sem hesitação; para definir as demissões sem motivo, as pressões mais ou menos claras exercidas sobre pessoas PARA fazê-las ir embora; se não… para definir as demissões que foram extorquidas com o “estímulo” da obediência e com prevaricações. Delicadamente!

Tudo isso enquanto o controle sobre e-mails, sobre telefones fixos, e – dizem-me – agora também sobre alguns tipos de celular, está atingindo um nível de fazer inveja a qualquer Coreia do Norte. Dizer que as palavras do pontífice parecem ameaçadoras (“às quais se concede todo o tempo para retomarem o caminho certo…”) é dizer pouco; não seriam diferentes se pronunciadas nos anos 70 por um secretário do Partido Comunista Chinês. Elas são também, por outro lado, um sinal evidente de que o grau de desconforto na Cúria cresce – à parte, obviamente, estão os vértices dos dicastérios, já quase completamente nomeados pelo papa Bergoglio ou homologados segundo o seu regime –; e, para responder a isso, se deve recorrer a ameaças explícitas, certamente jamais ouvidas da boca de um Vigário de Cristo.

[1]http://www.marcotosatti.com/2017/12/21/le-minacce-di-un-papa-alla-curia-un-inedito-storico-lo-scandalo-maradiaga-e-linasprirsi-dei-controlli-in-vaticano-buon-natale/

[2] https://fratresinunum.com/

[3]http://w2.vatican.va/content/francesco/it/events/event.dir.html/content/vaticanevents/it/2017/12/21/curia-romana.html

[4]https://fratresinunum.com/2017/12/21/explode-um-novo-escandalo-no-vaticano-o-braco-direito-pontificio-de-35-mil-euros-por-mes/

Fonte:https://fratresinunum.com/2017/12/28/as-ameacas-de-um-papa-a-curia-um-historico-inedito-o-escandalo-maradiaga-e-o-endurecimento-do-controle-no-vaticano-bom-natal/

 
 
 

Artigo Visto: 572 - Impresso: 10 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.215.132 - Visitas Únicas Hoje: 926 Usuários Online: 230