"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
22/09/2018
Santa Sé assina acordo provisório com a China sobre a nomeação dos bispos
 

Santa Sé assina acordo provisório com a China sobre a nomeação dos bispos

22 de setembro de 2018

O Vaticano diz que o acordo, que tem oposição de alguns católicos na China, estará sujeito a "revisões periódicas".

http://www.ncregister.com/images/uploads/IMG_4279.jpg

Cardeal Pietro Parolin, secretário de estado do Vaticano (foto de Edward Pentin)

por Edward Pentin

O Vaticano anunciou hoje que a Santa Sé e a República Popular da China assinaram um "acordo provisório sobre a nomeação de Bispos", permitindo aos fiéis "ter bispos que estão em comunhão com Roma, mas ao mesmo tempo reconhecidos pelo chinês autoridades. " 

Em um breve comunicado (ver texto completo abaixo), o Vaticano disse que o acordo é o "fruto de uma aproximação gradual e recíproca", que segue um "longo processo de negociação cuidadosa."

Em uma nota de acompanhamento, o Vaticano anunciou que o Papa Francisco decidiu, como parte do acordo, "readmitir a plena comunhão eclesial", nove bispos (um dos quais falecidos) que haviam sido excomungados por terem sido nomeados pelo funcionário, Igreja apoiada pelo estado sem permissão papal.

A afirmação acrescentou que, ao levantar essas excomunhãos, o Papa "espera que, com estas decisões, um novo processo possa começar que permita que as feridas do passado sejam superadas, levando à plena comunhão de todos os católicos chineses."

Em seu comunicado, o Vaticano deu poucos detalhes, exceto para dizer que o acordo, que diz respeito a uma questão de "grande importância para a vida da Igreja" também "prevê a possibilidade de revisões periódicas de sua aplicação."

Acrescentou que a "esperança compartilhada" é que o acordo pode "favorecer um processo frutífero e futuro de diálogo institucional e pode contribuir positivamente para a vida da Igreja Católica na China, para o bem comum do povo chinês e para a paz no mundo ."

Em uma declaração separada (veja abaixo), o Cardeal Pietro Parolin, Secretário de estado do Vaticano, disse que o acordo foi de "grande importância, especialmente para a vida da Igreja na China" e para o diálogo entre a Santa Sé e as autoridades chinesas.

Ele disse que o objetivo da Santa Sé era uma "pastoral" e que os objetivos da Santa Sé são criar "uma maior liberdade, autonomia e organização" assim, a igreja pode dedicar-se à missão de proclamar o Evangelho, bem como "contribuir para o bem-estar e para prosperidade espiritual e material e harmonia do país, de cada pessoa e do mundo como um todo. " Pela primeira vez, todos os Bispos da China estão em comunhão com o bispo de Roma, com o sucessor de Pedro, "disse o Cardeal Parolin, acrescentando que a Santa Sé espera que o acordo" será um instrumento apenas para esses objetivos, para esses objetivos, com a cooperação de todos. "

Ele também disse que o papa espera que o acordo ajude a "superar os mal-entendidos do passado, as tensões passadas, mesmo as recentes".

O porta-voz do Vaticano, Greg Burke, disse que o acordo de hoje "não é o fim de um processo", mas "o começo". As conversas foram "sobre diálogo, escuta paciente de ambos os lados, mesmo quando as pessoas vêm de pontos de vista diferentes".

"O objetivo do acordo não é político, mas pastoral, permitindo que os fiéis tenham bispos em comunhão com Roma, mas ao mesmo tempo reconhecidos pelas autoridades chinesas", acrescentou.

No passado, a igreja estatal na China havia nomeado bispos sem a permissão de Roma, levando à sua excomunhão. No futuro, espera-se que novos bispos sejam propostos por membros locais da Igreja, junto com o governo e a conferência dos bispos chineses.

Espera-se que o papa tenha poder de veto sobre os bispos indicados pelas autoridades chinesas, embora, além de outros detalhes, isso não tenha sido mencionado nos anúncios de hoje.

A perspectiva de um acordo já tinha dividido comunidades de católicos em toda a China, com alguns temendo que isso pudesse resultar em uma maior repressão por Pequim, mas outros Favorecendo aproximação e um possível restabelecimento das relações diplomáticas entre a China ea Santa Sé, depois de uma pausa de mais de meio século.

Cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, disse à Reuters esta semana que ele acreditava que as conseqüências do acordo seria "trágica e duradoura, não só para a Igreja na China, mas para toda a igreja, porque prejudica a credibilidade."

O Vaticano, disse ele, estava dando "o rebanho para a boca dos lobos. É uma traição incrível.

A Santa Sé já tomou medidas altamente controversas ao longo do caminho do acordo: em dezembro, tomou a decisão de ordenar o Bispo de 88 anos de idade, Peter Zhuang Jianjian de Shantou da igreja subterrânea para se afastar para um bispo apoiado pelo Estado para suceder-lhe e reconciliar-se com a Santa Sé e dar ao bispo Zhuang o título de "emérito".

Ao mesmo tempo, um bispo nomeado pelo governo, Zhan Silu, foi autorizado a ocupar o lugar de um bispo reconhecido pelo Vaticano, Guo Xijin de Mindong. O bispo Guo foi nomeado auxiliar e concedeu reconhecimento oficial em troca.

Apesar da oposição, o cardeal Parolin, que esteve à frente das negociações, disse aos repórteres nesta semana que a Santa Sé está "convencida de que isto é um passo adiante" e que "não é tão ingênuo a ponto de pensar que a partir de agora tudo vai vai bem, mas parece-nos que esta é a direção certa ".

Veja este artigo do Register de abril para obter informações sobre o acordo de hoje.

***

Comunicado sobre a assinatura de um Acordo Provisório entre a Santa Sé e a República Popular da China sobre a nomeação dos bispos

Hoje, 22 de setembro de 2018, no âmbito dos contactos entre a Santa Sé e a República Popular da China, que estão em curso há algum tempo para debater as questões de interesse comum da Igreja e para promover uma maior compreensão, realizou-se uma reunião em Pequim. entre Mons. Antoine Camilleri, subsecretário para as Relações da Santa Sé com os Estados, e H.E. Sr. Wang Chao, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China, respectivamente chefes das delegações do Vaticano e da China.

Durante essa reunião, os dois representantes assinaram um Acordo Provisório sobre a nomeação dos bispos.

O Acordo Provisório acima mencionado, que é fruto de uma aproximação gradual e recíproca, foi acordado para um longo processo de negociação cuidadosa e prevê a possibilidade de revisões periódicas de sua aplicação. Refere-se à nomeação dos Bispos, questão de grande importância para a vida da Igreja, e cria as condições para uma maior colaboração no nível bilateral.

A esperança compartilhada é que esse acordo possa favorecer um processo frutífero e progressista de diálogo institucional e contribuir positivamente para a vida da Igreja Católica na China, para o bem comum do povo chinês e para a paz no mundo.

***

Nota informativa sobre a Igreja Católica na China

Com vista a sustentar o anúncio do Evangelho na China, o Santo Padre Francis decidiu readmitir a plena comunhão eclesial dos restantes bispos "oficiais", ordenados sem mandato pontifício: H. E. Monsenhor Joseph Guo Jincai, H.E. Monsenhor Joseph Huang Bingzhang, H.E. Mons. Paul Lei Shiyin, H.E. Mons. Joseph Liu Xinhong, H.E. Mons. Joseph Ma Yinglin, H.E. Monsenhor Joseph Yue Fusheng, H.E. Dom Vincent Zhan Silu e H.E. Anthony Tu Shihua mgr, OFM (que, antes de sua morte na 4thJanuary 2017, havia expressado o desejo de se reconciliar com a Sé Apostólica).

Francis Papa espera que, com estas decisões, um novo processo permitirá que pode começar as feridas do passado a ser superado, levando à plena comunhão de todos os católicos chineses.

A comunidade católica na China é chamada a viver uma colaboração mais fraterna, a fim de promover com renovado empenho o anúncio do Evangelho. De fato, a Igreja existe para dar testemunho de Jesus Cristo e para o perdão e o amor salvífico do Pai.

22 de setembro de 2018.

***

A declaração do Cardeal Pietro Parolin sobre a assinatura do Acordo Provisório entre a Santa Sé e a República Popular da China relativo à nomeação dos Bispos

A assinatura de um acordo provisório entre a Santa Sé ea República Popular da China que diz respeito à nomeação dos Bispos é de grande importância, especialmente para a vida da Igreja na China, para o diálogo entre a Santa Sé e as autoridades desse país e Também para a promoção de um horizonte de paz nos tempos atuais em que vivemos tantas tensões a nível internacional.

O objetivo da Santa Sé é uma pastoral: a Santa Sé deseja apenas para criar a condição, ou para ajudar a criar a condição, de uma maior liberdade, autonomia e organização, a fim de que a Igreja Católica pode dedicar-se à missão de anunciar o Evangelho e também contribuir para o bem-estar e para a prosperidade e harmonia espiritual e material do país, de cada pessoa e do mundo como um todo.

E hoje, pela primeira vez, todos os Bispos da China estão em comunhão com o Bispo de Roma, com o Sucessor de Pedro. E o papa Francisco, como seus imediatos predecessores, olha com particular cuidado para o povo chinês. O que é necessário agora é a unidade, é confiança e um novo ímpeto; ter bons Pastores, reconhecidos pelo Sucessor de Pedro - pelo Papa - e pelas legítimas Autoridades civis. E acreditamos - esperamos, esperamos - que o Acordo seja um instrumento apenas para esses objetivos, para esses objetivos, com a cooperação de todos.

Para a comunidade católica na China - os Bispos, sacerdotes, religiosos e fiéis -, o Papa confia, sobretudo, o compromisso de fazer gestos fraternos concretos de reconciliação entre si, e assim superar mal-entendidos do passado, as tensões do passado, mesmo os mais recentes. Dessa forma, eles podem realmente contribuir, e eles serão capazes de realizar o dever da Igreja, que é o anúncio do Evangelho e, ao mesmo tempo, contribuir para o crescimento, o espiritual eo crescimento material, de seu país e para a paz e reconciliação no mundo.

***

Comentário de Greg Burke, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé:

"Este não é o fim de um processo. É o começo. Isso tem sido sobre diálogo, escuta paciente em ambos os lados, mesmo quando as pessoas vêm de pontos de vista muito diferentes. O objetivo do acordo não é político, mas pastoral, permitindo que os fiéis tenham bispos em comunhão com Roma, mas ao mesmo tempo reconhecidos pelas autoridades chinesas. "

Fonte: http://www.ncregister.com/blog/edward-pentin/holy-see-signs-provisional-agreement-with-china-on-appointment-of-bish

 
 
 

Artigo Visto: 211 - Impresso: 6 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.253.623 - Visitas Únicas Hoje: 1.151 Usuários Online: 162