Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






12/05/2021
Da Alemanha para o Brasil: Homossexualidade exaltada aos pés do Cristo Redentor

Padre Jorjão dá a Sagrada Comunhão para o companheiro de Paulo Gustavo.

Da Alemanha para o Brasil: Homossexualidade exaltada aos pés do Cristo Redentor

12 de maio de 2021

por FratresInUnum.com

Na noite de ontem, foi celebrada a Missa de 7º dia pela alma do ator e humorista Paulo Gustavo, vítima do COVID, que vivia maritalmente com outro homem, com o qual produziu dois filhos por via de inseminação artificial e barriga de aluguel, nos Estados Unidos.

A morte do artista provocou grande comoção em todo o Brasil, tanto pela idade do falecido (42 anos) quanto pela sua atuação cômica no cinema e na televisão. A caridade cristã nos leva a rezar por todos, vivos e defuntos, mas também nos faz ter aquele silêncio respeitoso diante daquilo que não se pode louvar, tal como uma vida dissonante dos princípios da moral cristã. Atualmente, muitos fieis perderam a capacidade de rezar em silêncio. A desorientação tomou conta de muitos e o sentimentalismo potencializado pela comoção coletiva faz com que se perca aquele bom senso católico…

Seria possível rezar uma Missa em sufrágio por essa alma? Sim! Obviamente. Mas, por que não o fazer discretamente, por pura fé, por desejo de confortar também a família? O que aconteceu, ao contrário, foi um espetáculo grotesco, em que o principal símbolo da fé cristã no Brasil, o Cristo Redentor, foi usado como palanque da causa homossexual e como ambiente para sacrilégios.

Pior: justamente neste momento de pandemia, em que os verdadeiros fieis estão morrendo sem sacramentos, em que se lhes sonega até um funeral cristão, em que a família não se pode unir para uma missa em sufrágio por sua alma, resolve-se fazer uma celebração à altura do Projac, com música secular e ostentação, com discursos que visavam naturalizar a homossexualidade e a reprodução artificial e também criticar o governo atual…

No final da missa, o companheiro do falecido fez-lhe uma homenagem dizendo que “o amor é transformador, e o nosso não só me evoluiu para sempre como alcançou milhares de famílias com o exemplo de tolerância, respeito e união. Que sorte a minha viver um amor tão lindo, verdadeiro e correspondido, mesmo que por pouco tempo. Tínhamos tantos planos para tantos anos, acho que é para além dessa nossa encarnação”.

Susana Garcia, amiga e diretora do Paulo Gustavo, fez uma homenagem: “essa dor não pode ser em vão, por isso nosso amigo querido, por você, em sua honra, seremos cada vez mais um imenso mar de força, determinação e coragem contra tudo que nega a vida. Você lutou contra o preconceito, contra o racismo, contra a homofobia! Você fazia esse país se curar através do riso”.

Além disso, a missa contou com outras performances: Regina Casé, que presidiu a cerimônia religiosa do “casamento” dos dois homossexuais, rezou a Ave Maria e a Salve Rainha com uma imagem de Nossa Senhora Aparecida nas mãos; a mãe do ator, Dea Lúcia, cantou “Fascinação”, de Elis Regina; o falecido também foi homenageado com a música “Pretty Hurts”, de Beyoncé, de quem ele era fã, interpretada por Mariah Nala.

Na homilia, tudo foi exaltação. Padre Jorjão, da Arquidiocese do Rio de Janeiro, falou que o juízo de Deus terá como matéria “o bem que nós fazemos” e disse que “foi isso que o Paulo Gustavo fez”. E ainda que ele teria feito mais uma nova obra de misericórdia, que não está na Escritura: “estive triste e me fizeste sorrir”. O Padre atacou aqueles que apontam o dedo e criticam, porque “Deus é compaixão e amor”, “Deus quer a nossa alegria”. Ele concluiu dizendo que “a certeza do céu transforma tudo isso na certeza do encontro”. Foi uma homilia de canonização!

Obviamente, não é de se esperar que um padre ataque o falecido por quem se reza, mas… não haveria um modo mais moderado de se exprimir, será que seria pedir demais esperar um pouco de discrição? Ali, lamentavelmente, deu-se um espetáculo de relativização.

Pior: a Sagrada Comunhão foi distribuída para todo mundo, inclusive para o companheiro do falecido, sem que houvesse nenhum aviso anterior de que somente poderiam comungar aqueles que estivessem preparados. O modo de distribuição foi pouco reverente, as pessoas tomavam a Eucaristia diretamente com os dedos.

A utilização do Cristo Redentor teve um significado muito simbólico. Como disse Fábio Porchat, “é um lugar mágico do Rio de Janeiro, no mundo, pra uma pessoa do tamanho disso aqui, né? Do que significa uma das maravilhas do mundo. O Paulo era uma potência e uma força, então nada mais pertinente do que estar do lado de uma figura com tanta força, como o Cristo”.

No final da celebração, a iluminação da imagem do Cristo Redentor foi apagada, em sinal de luto.

No último fim de semana, uma centena de Igrejas na Alemanha realizou bênção de duplas homossexuais. Foi um ato de rebeldia do clero progressista. No Brasil, os progressistas nem precisaram se adiantar: a anistia homossexual foi protagonizada por padres conservadores no Rio de Janeiro, num dos lugares mais sacros do Brasil, tudo ungido pelo sentimentalismo e pela comoção histérica.

Enquanto isso, muitos fieis são expulsos de suas paróquias porque o limite da lotação é ultrapassado ou porque eles não colocaram seus nomes em pré-cadastros. Essa inversão revolucionária não é acidental nem inocente: estamos diante de uma fria e calculada destruição da Igreja.

Fonte:https://fratresinunum.com/2021/05/12/da-alemanha-para-o-brasil-homossexualidade-exaltada-aos-pes-do-cristo-redentor/




Artigo Visto: 258

 




Total Visitas Únicas: 5.204.277
Visitas Únicas Hoje: 710
Usuários Online: 179