Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






12/05/2022
A prisão do Cardeal Zen e as novas nuvens negras sobre Hong Kong

Salvo em: Blogue por Aldo Maria Valli

A prisão do Cardeal Zen e as novas nuvens negras sobre Hong Kong

12-05-2022

A diocese de Hong Kong: “Preocupada com sua segurança. Confiamos que continuaremos a gozar de liberdade religiosa com base na Lei Básica”. Padre Gianni Criveller, missionário do PIME: “Ato intimidador e desumano: este é o cartão de visita do novo chefe executivo John Lee. Depois dos inimigos políticos, econômicos e culturais, agora as religiões estão na mira”.

Asia News

Mesmo depois de ser libertado sob fiança na noite de ontem, a sociedade civil de Hong Kong continua abalada pela  prisão do cardeal Joseph Zen junto com outros ativistas Margaret Ng, Hui Po-keung e Denise Ho. A diocese de Hong Kong divulgou hoje um comunicado expressando preocupação e pedindo que o bispo emérito de 90 anos seja tratado com justiça. “A diocese católica de Hong Kong – diz a nota – está extremamente preocupada com as condições e segurança do cardeal Joseph Zen e oferece suas orações especiais por ele. Sempre apoiámos o Estado de Direito. Estamos confiantes de que no futuro continuaremos a gozar de liberdade religiosa em Hong Kong sob a Lei Básica. Instamos as autoridades policiais e judiciárias de Hong Kong a tratar o caso do Cardeal Zen de acordo com a justiça, levando em consideração nossa situação humana concreta. Como cristãos, acreditamos firmemente que: 'O Senhor é meu pastor; não me falta nada'.

Sobre o significado da prisão do Cardeal Zen - que, mesmo em liberdade sob fiança, ainda terá que enfrentar um julgamento baseado na infame lei de segurança nacional - publicamos um comentário do padre Gianni Criveller, missionário do PIME e sionólogo, que colaborou na Hong Kong junto com o Cardeal Zen.

*

por Gianni Criveller *

Em 11 de maio de 2022, o cardeal Joseph Zen "a consciência de Hong Kong" foi preso. Para aqueles como eu que viveram anos formidáveis ​​ao lado do cardeal, permanecerá um dia de tristeza inesquecível.

O cardeal tem 90 anos e sente a fragilidade da idade. Vive modestamente na residência dos Salesianos em Hong Kong, um sacerdote entre outros, sem sombra de luxos e privilégios. Ele é um homem corajoso, o nobre pai do movimento democrático, o líder de toda uma comunidade civil. A prisão do Cardeal Zen é um ato inteiramente político, demonstrativo, intimidador e ouso dizer, até um pouco desumano. Pode ser preso um homem de 90 anos a quem milhões de pessoas em todo o mundo olham com admiração e respeito?

Zen foi solto sob fiança, e é humanamente um alívio porque não precisamos imaginá-lo em uma cela de prisão. Mas a gravidade insuportável da prisão permanece: haverá um julgamento, acusações odiosas destinadas a desacreditar uma pessoa nobre e generosa. E não podemos esquecer que muitos de nossos amigos democratas permanecem na prisão por seus ideais de liberdade. A prisão ocorreu junto com outros membros proeminentes do movimento democrático, incluindo três mulheres de valor: Margaret Ng, Cyd Ho e Denise Ho.

Zen é acusado de conluio com forças estrangeiras. A acusação se baseia em sua responsabilidade formal na constituição do fundo "12 de junho" (ed. 612), criado para ajudar - com apoio jurídico, financeiro, moral e de saúde - pessoas feridas, presas, agredidas ou ameaçadas de violência no curso de manifestações democráticas que começaram em 12 de junho de 2019 e terminaram em 1 de julho de 2020 com a introdução da lei de Segurança Nacional. O fundo arrecadou doações, mesmo do exterior deve ser assumido. Mas havia suspendido suas atividades após a introdução da Lei de Segurança Nacional. E, portanto, é uma aplicação retrógrada de uma lei em todo caso liberticida.

A prisão é um péssimo cartão de visita para o novo chefe do executivo John Lee - o responsável pela introdução de um regime policial em Hong Kong - eleito com 99% dos votos da comissão eleitoral especial em 8 de maio. Lee tomará posse apenas em 1º de julho, mas eles querem deixar claro que ele já está no comando, ou melhor, em Pequim. Acho que essa prisão sensacional (ainda é um cardeal) também tem algo de rancor em relação a Carrie Lam, a desastrosa governadora que o precedeu, mas que compartilha a mesma fé católica com o Zen.

Desde 2003, o Zen é chamado de "consciência de Hong Kong": líder em uma cidade que buscou para si um caminho para a liberdade e a democracia, como prevê a Lei Básica que rege Hong Kong. Nós o vimos com o povo nas ruas, praças, prisões, no parque da Vittoria... um pastor ao lado do povo. Milhões de cidadãos saíram às ruas em Hong Kong, e o Zen com eles, no meio deles, na frente deles. Um movimento de pessoas, de jovens, de pessoas que pedem para serem livres, para serem protagonistas do seu destino.

A Coreia do Sul teve o cardeal Stephen Kim: o pai da pátria que salvou o país do poder militar ao acolher na catedral manifestantes ameaçados pela polícia (1987). As Filipinas tiveram o cardeal Jaime Sin, que convocou o povo para defender Cory Aquino eleito presidente no lugar do ditador Ferdinand Marcos (1986). Hong Kong tem o Cardeal Zen: "a consciência de Hong Kong".

A prisão de Zen engrossa mais nuvens negras e ameaçadoras sobre Hong Kong. Não pode ficar melhor nos próximos meses e anos. Vai piorar muito antes de melhorar. O esquema de controle progressivo pelo regime já havia sido implementado na China: primeiro eliminar os inimigos políticos; depois os econômicos; depois as culturais e finalmente as religiões. Meses e anos ainda mais difíceis aguardam a Igreja Católica em Hong Kong. Por alguma maldita determinação histórica, o maravilhoso povo de Hong Kong não poderá viver em liberdade e democracia.

* Missionário e sinólogo do PIME

Fonte: asianews.it

Via:https://www.aldomariavalli.it/2022/05/12/larresto-del-cardinale-zen-e-le-nuove-nuvole-nere-su-hong-kong/




Artigo Visto: 117

 




Total Visitas Únicas: 5.587.834
Visitas Únicas Hoje: 394
Usuários Online: 144